Connected

Uma noite especial, mais que pelo seu significado, pelas pessoas se que juntam ao redor daquela mesa, pelas risadas altas e pelo riso aberto que ilumina seus rostos, naquela que não chega a ser uma tradição, mas sim o desejo de pouco mais de dez pessoas de estarem juntas. De fato, uma ausência, física, é sentida, mas está presente em pensamento, nos pedidos e na lembrança daqueles que importam, outras noites especiais hão de vir e, com sorte, em seu tempo essa pessoa poderá ocupar o lugar que já conquistou entre eles.

Na vida, muitas vezes as coisas parecem como um monte de pontos desconexos, mas ao findar de 2013, ao olhar as pessoas que me cercam nessa mesa, chego a conclusão de que nestes dias, cada vez mais eu acredito que às vezes precisamos dedicar um tempo a descobrir as conexões entre esses tais pontos... No final, poderemos descobrir que estamos todos conectados! E, além de muito bacana, isso é bom!

Talvez eu dissesse que 2013 não foi um ano bom para mim, por n+1 razões que já não precisam mais, nem merecem serem lembradas, mas confesso que ainda assim, não poderia terminar esse post e dizer que 2013 foi um ano ruim...  Talvez o principal motivo para isso, seja porque ao olhar no rosto de cada uma das pessoas que me cercam nesta noite, eu possa ser capaz de dizer um obrigado, de coração, por algo de muito bom que elas me tenham feito ao longo desse ano, à todas sem exceção!!! E não há o que eu possa dizer ou fazer, que pague por isso... espero um dia ser digno de retribuir, a altura, tamanha generosidade recebida, provavelmente, não será a elas... mas o farei com gosto por quem precisar.

E vai ser assim, que vou esperar 2014, vestindo azul, com o coração cheio de esperança, de gratidão e com uma plantinha nova, ainda germinando, ainda frágil, que a muito tempo não florescia por essas bandas... mas que mesmo, com o aparecimento das primeiras folhas, já me trouxe imensa alegria. 

Não sei o que 2014 me reserva, mas tenho certeza que estou pronto e vou querer experimentar!  ;-)

Apesar de estar mencionando diretamente algumas pessoas no post, eu preciso registrar aqui o carinho e a importância que vários outros amigos, distantes ou não, blogueiros ou não, tiveram no meu ano. Eu não vou cometer a deselegância de citar nomes, mas tenham a certeza de que vocês foram muito importante para mim, e para minha recuperação. 2014 vem chegando e posso afirmar que estou praticamente novo! Gracias por tudo!

Com este post, eu me despeço de 2013... e, espero reencontrá-los felizes e com as energias recarregadas em 2014.

Um Feliz Ano Novo a todos!



Viver com Fé

Tem coisas e assuntos que eu não gosto de discutir por aí, seja por falta de paciência, seja por preguiça das pessoas, seja porque Mamãe já dizia que religião, futebol e política não se discute. Pessoalmente, eu tenho algumas visões que são muito particulares sobre alguns assuntos, que não raro se chocam com as minhas próprias crenças ou princípios das crenças que eu simpatizo.

Mas, ultimamente, um assunto tem me rodeado bastante, a fé!
Que não necessariamente tem a ver com religião A ou B, mas como algo que como eu vi alguém definir outro dia,  está ligada a nos despertar o gosto de viver, ao que nos faz seguir adiante perante as adversidades da vida, ou ainda, atrás de uma explicação.

Tem um tempo que eu venho namorando esse livro, Viver com Fé (Cissa e Patricia Guimarães), não me pergunte a razão para eu ter resistido por tanto tempo a lê-lo, não há um motivo em especial, ou quem sabe, talvez ele exista e eu não tenha confessado nem a mim mesmo. De qualquer forma, da última vez que nos encontramos, em uma livraria alguma horas antes de uma viagem, eu me rendi a ele... Algumas horas de viagem pela frente, a cabeça um tanto inquieta, pareciam um bom momento para essa aproximação.

O livro nasceu da experiência pessoal das autoras com um programa de televisão, exibido na tv a cabo, a princípio pode parecer um tanto piegas, mas confesso que eu gostei do livro e gostei de tê-lo lido. Seus relatos soaram quase que como uma terapia em grupo, e perceber as pessoas de diferentes origens e perfis, que além de compartilharem algo comum, no caso a fé, ainda expõe sua visão sobre ela e de sua influência em suas vidas ou em importantes momentos, foi algo bastante interessante.

A fé me parece ser algo inerente ao ser humano, acredito que nascemos com ela, talvez por isso seja tão difícil para alguns acreditar, para outros explicar... eu sempre me achei um homem de fé, talvez inspirado pelo exemplo da minha mãe, e pela linhagem de mulheres fortes do qual ela descente.

Ter fé não significa que as coisas serão mais fáceis, ou um "passe livre",  mas significa uma certeza, ainda que sem nenhuma base científica, ou mesmo quando a razão aponta para outras direções, de que tudo no final vai ficar bem, que vamos conseguir sair do outro lado. Piegas?! Talvez sim, talvez não, quem sabe?! 


Mas no final, "os ventos que levam, também são os ventos que trazem..."



"São Miguel Arcanjo, protegei-nos no combate, defendei-nos com o vosso 
escudo contra os embustes e as ciladas do demônio. Deus o submeta
instantemente o pedimos, e vós, ó Príncipe da Milícia celeste, pelo Divino 
poder, precipitai no inferno a satanás e aos outros espíritos malignos que 

andam pelo mundo procurando perder as almas."
("diz a lenda"... que a crença na verdade do bem, que S. Miguel tinha,
o moveu a travar sem medo um embate com Lúcifer, o Mal).
 

Que possamos de alguma forma nos encontrar, ou reencontrar, com a nossa fé... e vencer os embates nosso de cada dia.

Até! ;-)

Abafando!!! ;-)

Então, eu ando meio sumido, eu sei, guilty as charged
Na verdade eu estou fazendo um tratamento de saúde e, as vezes, isso tem sido um tanto quanto complicado para mim, apesar da seriedade exigida pela coisa toda, vale registrar que não estou correndo nenhum risco de morte - pelo menos não maior do que qualquer um de nós está exposto. Mas, rola uns efeitos colaterais e dai a coisa fica meio puxada, isso tem me levado a ficar mais quieto, por esses dias. Mas estou por ai...

O Ro Fers, do blogue Desabafo, havia me indicado para um Selo algumas semanas atrás, e outras pessoas também acabaram me indicando como os blogues: TPM de Macho (do Fred), Outtakes (do Edu Paiva), Homem, Homossexual e Pai, ambos que eu gosto muito de ler... Assim, além de deixar registrado aqui meu pedido de desculpas pela demora na resposta, vou aproveitar para cumprir a missão (tudo bem que ao invés de desabafar, ultimamente eu ando mais naquela de que a gente tem mais é que Abafar! [hehehe]).

Vamos ver no que vai dar:

1. Linkar a pessoa que indicou o selo.
Correndo o risco de ser injusto, vou citar as três pessoas que me lembro: Ro Fers (Desabafo), Du Paiva (Outtakes), (Pai Gay) Homem, Homossexual e Pai e Fred (TPM de Macho).
2. Vida? "Espere o melhor, prepare-se para o pior, aceite o que vier!"
3. Relacionamento? Uma parceria.
4. Tecnologia? Uma ferramenta de trabalho.
5. Dinheiro? Importante, mas não é tudo!
6. Um Defeito? Ser idealista. 
7. Uma Qualidade? Ser idealista.
8. Amizade? "Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!" (Vinicius de Morais).
9. Ambição? Parte de nós que não precisa ser ruim.
10. O que você não suporta em uma pessoa? Falsidade.
11.Dois objetos que não podem faltar no seu dia? Celular e uma caneca (de café, é claro)! ;-)
12.O que você pensava em ser quando crescer? Motorista de Caminhão eu dizia quando criança, depois Médico (Pediatra).
13.Qual sua profissão atual? Professor Universitário na área de tecnologia. :P
14. O que você não aprendeu ainda e tem vontade de aprender? Olha que tem um bocado de coisas ainda para aprender, viu...
15. Qual a história favorita de infância?
A Menina dos Fósforos (Hans Christian Andersen), não sei se é a favorita, mas foi uma história que marcou, porque me lembro de começarmos a ver a história, todos animados e, no final - que não é exatamente feliz... foi uma choradeira só em casa... até minha mãe chorou no final.
16. Qual desenho animado favorito na infância? O Pirata do Espaço! (Groizer X) - [Link]
17. Tem saudades de que? De um bocado de coisas, e pessoas! 
18. O que te deixa de mau humor? Acordar com o telefone tocando ou alguém gritando, me dá um sustão!
19. Qual a pior tarefa doméstica? Passar roupa, com certeza!
20. Qual parte do seu corpo julga ser mais atraente? Então, quem já viu, diz que a minha boca tem potencial!!! kkk
21. Qual o nome que gostaria de ter? Eu poderia ter me chamado Diego.
22. Qual gíria mais usa durante o dia? Via de regra, não uso gírias! Mas adoro frases célebres e citações!
23. Um recado para as pessoas que você convive?! "Tamo junto, Neide!!!"
24. O que você faz primeiro quando acorda? Uma prece.
25. Qual o seu mês favorito? Acho que não tenho um...
26. Quantos namorados você já teve? Ah! Então... vamos ver... Nenhum! :P
27. Qual pecado capital mais pratica? Gula.
28. Qual parte do corpo masculino mais te chama a atenção? As mãos.
29. Uma imagem que te pertence.
[Em Brasília/DF]
30. Indicar este selo para mais 05 blogueiros.
Ah! Então, pelos poderes a minha investidos, ao invés de indicar, vou convidar a quem quiser participar da brincadeira para responder e deixar o aviso aqui no blogue! Que tal?! Pode produção?!
Feito?! ;-)

Abração a todos, e aos poucos vamos tentando colocar o bloco na rua de novo!
Inté.

"Eu me sinto às vezes tão frágil, queria me debruçar em alguém, em alguma coisa.
Alguma segurança. Invento estorinhas para mim mesmo,
o tempo todo, me conformo, me dou força.
Mas a sensação de estar sozinho não me larga.
Algumas paranoias, mas nada de grave.
O que incomoda é esta fragilidade, essa aceitação,
esse contentar-se com quase nada. "
(CAIO FERNANDO ABREU)

O que precisa ser feito!

Se represamos algo por muito tempo, vamos acumulando, acumulando, até que um dia, seja por força das circunstâncias, ou pela própria pressão exercida, algo terá que ceder... às vezes, ao surgir das primeiras rachaduras, ainda é possível tenta um "remendo", paliativo é verdade, porque no fundo, todos sabemos que é tudo uma questão de tempo!

Mais complicado ainda, é uma vez decidido tentar remover a represa, o fazê-lo de fato... Tudo o que calmamente repousava até aquele momento, em segundos pode alcançar uma proporção absurda, e, desconhecendo o poder de sua força e sem saber controlá-la tende expandir aquela energia, de  forma forte e violenta. E o que supostamente deveria ser bom, acaba por se tornar mau.

O desafio está em remover a represa, com calma, no tempo certo, pedaço a pedaço, permitindo que tudo o que sempre esteve represado, preencha novamente o seu lugar de direito. Coisa difícil, é ter paciência, é saber esperar e saber admirar a beleza desse momento, até que as coisas cheguem ao seu devido lugar e, possam então ser aproveitadas, em todo seu esplendor e plenitude. 

Acho que era isso... Patience my young padawan

-- x --

No meio tempo... amanhã é dia de partir! A primeira de algumas viagens, que eu adoraria fazer por outros motivos, mas que as vou fazer porque é o que precisa ser feito! No bolso, vão: saudades, desejos, esperanças, encontros e reencontros.

Por isso, pode ser que eu desapareça por alguns dias... e já sabem... [kkk]

Se alguém perguntar por mim

Diz que fui por aí! ;-)


Set up

Na indústria, é comum falarmos em tempo de set up, que seria o tempo empregado na configuração de uma máquina. ou processo. até que ela efetivamente possa começar a produzir o trabalho. Em uma analogia meio tosca... sabe aquelas folhinhas que você fica sapateando lá na impressora até acertar e imprimir, é mais ou menos por ai. Também não é muito minha área, mas eu "meio" que aprendi de ficar zoreiando a conversa dos coleguinhas da Administração.

Essa semana acho que finalmente comecei a ajustar meu tempo de set up depois dos dias parados, na verdade, acho que não foi bem eu... [kkkk]  A vida deve ter achado que eu tava meio paradão e resolveu por um pouco de emoção na minha pacata vidinha dos últimos tempos. Foi assim que uma pessoa conhecida me liga, por volta das 09h30, e a primeira coisa que me fala é... Te Acordei?! 

Oi, como assim?! O meu "não", omitiria o pensamento de que meu dia tinha começado às 07h00, naquele momento eu já tinha lido dois relatórios, respondido alguns e-mails e naquele momento já estava pensando que além de matá-la eu podia fazer um post sobre isso! ;-)

Fato é que não sei se já podia, nem se devia... mas é bom para dar uma "acordada"...
Mas, assim como a impressora do meu exemplo tosco, acho que ainda estou engasgando um pouco e puxando algumas folhas a mais de papel... Então, preciso achar o ritmo das coisas, ontem foi um dia de mega adrenalina - e eu nem estou efetivamente trabalhando!

Mas, sendo bem literal neste caso... Meditar eu irei!!!
Acho que estou precisando dar uma acalmada na mente... 

E que venha a nova semana, que promete ser cheia de novidades e possibilidades!

Inté!


Recados Esquisotéricos

Eu sempre fui um daqueles garotos que ficava intrigado com algumas "coincidências" que acontecem em nosso dia-a-dia, é o encontro inesperado, a desistência de sair no último minuto, aquela ansiedade estranha, enfim, aquele "improvável" que nos surpreende em algum momento e que parece nos dar um recado, uma pista. Eu já não sou mais exatamente um garoto, mas essas coisas ainda me chamam a atenção.

Dia desses, lá estou eu no metrô, dia já ia pela metade, n+1 coisas passando pela minha cabeça, quando meu olhar acha um daqueles monitores que ficam passando notícias dentro dos vagões, naquele exato momento, meu signo estava sendo mostrado... Mais que isso, se o texto, fosse um recado escrito por alguém para mim, não faria tanto sentido naquele momento!! Confesso que fiquei sem ação por alguns segundos, reli rapidamente para me certificar que não estava enganado, pensei em registrar com o celular, mas não havia tempo hábil... minha estação se aproximava.

Sempre que estou em São Paulo, faço uso do metrô e não tenho lembrança de conseguir ver meu signo naqueles monitores, nunca tinha visto, justamente porque os trajetos são curtos, coisa e tal. Mas aquele dia... profeticamente, lá estava ele!!!

Outro dia, em um dos poucos momentos que usei o computador, momento de dar aquela conferida nas redes sociais, como gostam de dizer os jornalistas, junto com meu perfil surge uma daquelas mensagens xeretas, Which city do you live in?! Não feliz, ainda apresentava algumas sugestões... 

Oi?! Como assim?! Poucos dias antes em uma conversa, um assunto relacionado vinha a tona e de certa forma desde então, o assunto vem sendo gestado... A inocente pergunta foi como um cutucão naquele machucado ainda dolorido... Touchè!

Essa semana, recebo o pedido de ajuda com um amigo, às voltas com vários documentos em inglês para ler e entender, ele me pedia ajuda, já que não domina a língua... Como eu não posso ver defunto sem chorar, e aproveitando que andava meio "desocupado"... rolou aquele Momento Super Mouse o seu amigo, vai salvá-lo do perigo. Combinamos que eu o ajudaria a traduzir o que fosse possível.

Seria tudo lindo, não fosse o documento ter mais de 20 páginas e de uma área não relacionada a minha... Ser amigo não é fácil! [ehehehe] Mas depois de umas 15 horas de trabalho, quando estava quase terminando... me veio a mente aquele "segundo de lucidez"... e me dei conta, que há dias venho me amarrando para fazer um processo semelhante para um projeto que venho negociando... ou seja, acho que o recado foi bem claro dessa vez! Mas para não restar dúvidas, ainda tenho dois outros documentos para "pensar" direito.  ;-)

E no meio tempo... também me dei conta de quantos "recados", eu atropelei vida a fora, por simplesmente não estar "atento", devo confessar que não foram poucos... em minha defesa, posso dizer que estes, em sua maioria, eram mais sensíveis para mim... o que não exime a minha culpa.

E assim minha semana tem ido... entre recados, reflexões e traduções!  :P
Amanhã, pelo poderes a mim investidos, eu decreto dia de tomar café... sobre o presente de "grego" que ganhei de um amigo, algo do tipo como balancear a equação:



That´s all folks! ;-)


"Porque aprendi, que a vida, apesar de bruta, é meio mágica
Dá sempre para tirar um coelho da cartola."
(CAIO FERNANDO ABREU)

O Acaso vai...

A vida  e suas lições... me impressiona como somos cabeçudos às vezes, e como que um pouco de "fé" não faz mal a ninguém!

Eu estou afastado do trabalho, havia mais de um mês que não ia à minha casa, naquele pitoresco recanto fronteiriço em que eu resido, então, tendo em vista que minha licença foi prorrogada, eu resolvi ir ver se meu apartamento ainda existia. Foi uma experiência bacana, preciso escrever sobre essa viagem, mas agora preciso "observar" algo que acabou por se tornar uma interessante lição.

De acordo com os planejamentos, eu iria na terça-feira pela manhã e voltaria na quarta-feira, minha mãe me acompanharia, pois além da companhia, ela poderia dar um passeio também, além é claro de termos todo o tempo da viagem para nosso esporte favorito, conversar!!! Eu moro em uma cidade de fronteira, soy fronteirizo, que diferentemente de outras cidades de fronteira, essa é conurbada com uma cidade paraguaia, por essa razão, os centros da cidade unidos, sendo cortados por uma avenida, com um largo canteiro central, que na verdade é a fronteira entre Brasil e Paraguai. Não há posto alfandegário, não há barreiras, e entramos e saímos do país como quem atravessa a rua - aliás, a gente só atravessa a rua mesmo!!! ;-)

Meu apartamento fica em uma avenida paralela a "linha de fronteira", literalmente "à uma quadra do Paraguas", como eu brinco. Na quarta-feira, fomos comprar algumas coisas nos hermanos... Tomamos café e fomos a pé, depois de algumas compras, fomos direto para o carro - que estava em frente ao meu prédio. Em uma parada no banco, minha mãe perdeu que perdera uma carteira que ela carregava, nada muito sério, mas lá estava seu RG, alguns cartões e um pouco de dinheiro. O valor era mais psicológico do que necessariamente monetário, mas é ruim perder as coisas... Voltamos à última loja, refizemos o trajeto e perguntamos na academia que funciona próximo ao prédio, quem sabe alguém teria encontrado, mas nada!!!

Minha mãe ficou meio chateada, ela nunca perde nada! Mas se vão os anéis, os dedos ficam, e dos males o menor. Cartões cancelados, a única chateação é que ela tem uma viagem próxima e precisa de um documento com foto. Imagino que assim como nós, você deve estar pensando que esses documentos nunca mais seriam vistos, afinal, carteira perdida em uma cidade estranha, grudada em um país hermano... 


Mas não é que fomos surpreendidos pela danada hoje?! Uma pessoa, que mora próximo ao meu prédio, havia encontrado a carteira! Oi? Como assim?! Confere produção?!  Confere, o tiozinho, viu o cartão do banco, foi até a agência e pegou o telefone da minha mãe e então ligou para avisar que estava com ele, e que ela podia ficar tranquila. E viva as cidades do interior!!!

Uma amiga deve passar por lá hoje para buscar a carteira e provavelmente me enviará aqui na Capitar, de qualquer forma, mais uma vez fica a lição de que ainda existem pessoas boas... e que às vezes, a gente só precisa ter fé nas coisas! Minha mãe inquieta, sempre repetia que sentia como se a carteira não tivesse perdida... 


Mais uma lição para o meu caderninho!

No meio tempo, eu estou... por ai... preciso parar para escrever, mas não consigo parar! Várias coisas acontecem, e eu estou em meio a um torvelino de emoções! [ehehe] Mas ao mesmo tempo tudo está meio parado, um tempo estranho com certeza... mas, vamos que vamos...  mais tarde quem sabe eu consigo aquietar a cabeça para escrever um pouco.

"...O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar..."

Um Sentir

Sábado, 13h37 é o horário que o laptop marcar quando eu comecei a escrever, entretanto há outros fusos a me interessar... estou sentado displicentemente na mesa, pés apoiados na cadeira da frente... brigando com o sono...

Olhando pela janela, lá fora, um belo dia com direito a céu azul, sol, calor, parece convidativo... Tudo parece ter um colorido diferente hoje... Um clima de calmaria se faz presente no ar, o que contribui para aumentar meu sono. Mas continuo guerreando com ele... não quero dormir, prefiro ficar a esperar... Enquanto meus olhos observam o vento brincar com as cortinas, revisito pensamentos e conversas na minha mente, dou risada sozinho... suspiro.

Me distraio com os passarinhos lá fora... com seu canto, parecem querer me contar algo, que eu não consigo compreender, imagino o que você estará fazendo, por onde estará?! E a briga continua... talvez os sonhos possam me levar até a "minha pasárgada".. 

Silêncio... tudo calmo, tudo quieto...

E assim, vejo a tarde avançar da minha janela... entre pensamentos e sonhos, ainda acordado, eu continuo manhoso... a brigar com o sono...
....

E assim, meu sábado vai indo... devagar...

Abração...

"...E essa tal felicidade anda por aí,
disfarçada, como uma criança traquina, brincando
de esconde-esconde..."

Tempo, tempo, tempo

Eu e o Tempo, uma relação esquisita desde muito tempo...

Eu sempre aparentei ser mais novo, o tempo parece que demorou mais para passar por mim. Certa vez, uma radiografia realizada durante a adolescência mostraria que minha idade cronológica não batia com a idade do meu corpo, ele era mais "novo". Lembro que quando fui me alistar, todo mundo me perguntava se eu era voluntário, perdido entre tantos "homens feitos", eu parecia um garoto! 

Na contra mão do corpo, o tempo passou mais rápido para minha cabeça, e logo, eu sempre pensei como alguém mais velho, e foi assim que eu me vi fora do meu tempo, como se tivesse achado a máquina do tempo e de repente estivesse em um tipo de futuro. O que nunca foi exatamente uma "questão" para mim, talvez tenha me permitido ver mais coisas que meus parceiros de jornada, mas ver não é tudo... é preciso vivê-las..

Mas, para algumas coisas, o tempo se congelou para mim, e por isso, vez por outra ainda encontro no espelho, o reflexo daquele garoto de cabelos fartos, ansioso aos seus 17 anos, orbitando ao redor daquela menina que na época era sua grande paixão. Ainda que o corpo tenha crescido, mas aquele garoto ainda está lá, com os mesmos cabelos que o vento teima bagunçar antes que a primeira esquina seja dobrada, ainda encantado... não mais por ela, é verdade. 

Para as outras coisas, parece ter brincado com o tempo... assim, conquistou coisas cedo, deixou outras batalhas para mais tarde, e com a ousadia dos que desconhecem o perigo das coisas, se perdeu brincando com o que desconhecia... e assim, quando parecia que não ia mais conseguir colocar o seu tempo em ordem... o tempo, lhe apresentou as saídas, lembrando sua avó que sempre dizia: Tudo com tempo tem tempo!

E assim, enquanto busca acertar o tempo de "seus relógios", também espera o tempo dele... para quem sabe juntos, possam aproveitar...
o tempo!


...Compositor de destinos
Tambor de todos os ritmos
Tempo, tempo, tempo, tempo
Entro num acordo contigo
Tempo, tempo, tempo, tempo...
[ORAÇÃO AO TEMPO, Maria Bethania]

Ah! As segundas-feiras... boa semana!

As Franjas

[Clique na figura para aumentar]

Eu não sou exatamente um garoto de praia, para ser sincero, creio que cabe nos dedos de uma mão as vezes que fui à praia. Mas isso não significa que eu não goste de praia, em especial, adoro o mar... além de caminhar sentindo a espuma nos pés, me encanta poder observar o mar, onda após onda, quebrando na praia, isso me acalma.

As vezes me pego pensando na época das grandes navegações, na sensação de se jogar ao mar, sem ao certo saber o que iria encontrar...  O tempo passou, os portos não são mais os mesmos, os navios cederam lugar a veículos mais modernos, mas as vezes, tudo o que a gente carrega, ainda é um certo medo do inesperado e o desejo de encontrar nossa tão esperada terra prometida.


Essa foto eu tirei a última vez que vi as "franjas do mar"... manhã de sol, Terra de São Salvador, uma conversa só entre eu e o mar...



Se alguém perguntar por mim
Diz que fui por aí

O Plano de não ter um plano.


Eu sempre fui de planejar as coisas, eu sempre gostei de ter controle sob as coisas, tanto é que na equipe, eu sempre sou aquele que tem tudo o que os outros precisam, ou sabe quem pode ajudar [kkk]... Meu caderno de anotações é/era famoso entre os meus colegas da Firma, adivinha quem era o único que sabia a data em que determinada ação começou, ou o quê foi discutido quando?! 

Ironicamente, na contra capa dele há uma anotação dizendo que "vida" é o que acontece enquanto estamos ocupados fazendo outros planos. Pior, com a minha letra, mas eu nem me lembro quando ou porque coloquei aquela anotação lá... guilty as charged!

Fato é, que meus planos estão mega bagunçados nesses últimos tempos, não sei se caso ou compro uma bicicleta, início de Agosto eu tinha alguns planos para esse segundo semestre, a essa altura do campeonato, não faço menor ideia do que vai acontecer. Para ser sincero, até tenho uma ideia do que acontece com alguns, mas isso de repente parece tão menor, que não importa.

De verdade, parece que eu estou vivendo... depois de muito tempo, parece que tenho vivido um pouco... e tem sido bom! O meu caderno está aqui, ao lado do computador, mas a dias não o abro... parece que agora estou ocupado vivendo!

Essa semana acho que começo a ter uma noção melhor dos "próximos passos", quem sabe alguns novos passos possam ser dados, enfim... respirar fundo, e como dizia minha abuela, tudo com tempo, tem tempo!

"Às vezes é preciso diminuir a barulheira, parar de fazer perguntas,
parar de imaginar respostas, aquietar um pouco a vida
para simplesmente deixar o coração nos contar o que sabe.
E ele conta. Com a calma e a clareza que tem"
(CAIO FERNANDO ABREU)

Mea Culpa

Bom, eu estou de castigo por um tempo em casa por um tempo, e durante o final de semana, recebi o convite de uma amiga para que caso eu já pudesse sair, para visitá-la, uma paciente havia desmarcado e poderíamos conversar. Então, no dia combinado, lá fui eu... passei na minha padoca de eleição e fiz questão de comprar algumas coisas para animar a tarde. Na horário combinado, lá estava eu...

Foi um tarde muito boa, ela é aquela pessoa com quem podemos conversar abertamente, que nos faz bem conversar e desde minha mudança foram poucas as chances de uma "consulta" para mim... Como brincou um amigo, falei até dar caimbra na língua [kkk]. E foi nessas conversas, que acabei revisitando alguns pontos do meu passado, na verdade conversávamos, sobre o tempo das coisas e a dificuldade de ser um adolescente "passado".

Quando eu era criança, em Santo André mesmo (não em Barbacena), lembro que um dia um amigo da turma, não pode sair para brincar porque estava com caxumba, daquele dia em diante, bastava contar o tempo de incubação e todos os outros garotos foram "caindo"... na minha casa não foi diferente! Lembro de não poder sair da cama, tudo com muito cuidado! Mas eis que meu pai começa a reclamar de um pêlo engravado, minha mãe, de sombracelhas erguidas, decretou o veredito. Caxumba!

Meu pai fez graça, chamou-a de Maria Caxumba, e que tudo para ela era Caxumba! Lembro que ele foi jogar bola com os amigos, tomou sereno, tomou cerveja, enfim... se jogou!!! No outro dia, "o pêlo" havia inchado... de tal maneira que na primeira colherada de sopa, ele colocou as mãos na cabeça e saiu correndo de dor. Anos mais tarde, brincaríamos que a Caxumba "não desceu", porque não passou pelo pescoço... a coisa foi tão séria, que o médico não diagnosticou Caxumba, deixou em observação com receio que pudesse se tratar de algum tipo de abcesso. Meu pai perdeu a mãe muito cedo, ainda criança, e naquela época meu avô também já tinha falecido... e ninguém suspeitava que um burro velho não tinha tido caxumba quando era criança!.

Enfim, há coisas que são para ser vividas em determinadas épocas... conversando com ela, eu vi que na tentativa de fazer as coisas certas, mexi com a ordem de algumas coisas na minha vida... e assim como a ocorrência de uma doença infantil em um adulto, hoje eu tenho que descobrir coisas que supostamente já devia saber como lidar.

Por outro lado, fico pensando que foi justamente esse caminho, levemente tortuoso, que me tornou a pessoa que sou hoje. Será que se eu tivesse feito o dever de casa, eu seria diferente, ou estaria em algum "universo paralelo"?! Boa pergunta... mas não sei se as respostas me interessam, porque ao olhar ao meu lado, e ao meu redor, e ver todas as pessoas que me cercam... eu fico muito feliz por ter chegado até aqui...

E lá se foram os meus pontos... nem doeu! Confesso que estava, um tanto quanto cagado, oops, quero dizer apreensivo! Mas nem senti nada... cicatrização ocorreu de forma bacana e felizmente estamos indo bem. Hoje faz 15 dias que eu operei, estou aprendendo a entender os sinais que meu corpo tem dado, estou me acostumando a ideia de que agora sou uma pessoa que toma remédio para o resto da vida, mais que isso... tenho procurando entender o significado de todo esse "sacode" na minha vida...

Até por isso, ainda preciso escrever alguns emails de agradecimento... me assusto como as vezes podemos ser capazes de entrar em uma discussão ferrenha, mas como é difícil parar, olhar para quem nos é importante e dizer um agradecimento de coração... seja por timidez, seja por vergonha mundana, sei lá...  mas acho que agora já dou conta!

No meio tempo... eu fico por aqui, dançando com meus pensamentos!!! ;-)

Não importa ao tempo o minuto que passa, mas o minuto que vem
(MACHADO DE ASSIS)

Reservismos Tolos

Eu gosto muito de assistir televisão, seja aberta ou a cabo, ambos atraem minha atenção, e não acredito muito na "manipulação das massas", "nem que a TV vai acabar com "a tradicional família mineira", na minha casa aprendemos desde cedo o "PODER" do botão de ligar e desligar. Ontem foi ao ar o último capítulo de Saramandaia, ao ler as primeiras notícias, eu confesso que não entendi as razões de ser fazer uma nova versão de "algo  tão velho" e surreal, como na minha casa eu não tenho TV a Cabo, previ a chegada de tempos difíceis  já que normalmente durmo mais tarde. Que bom que a gente erra, né?!

Passados 57 capítulos, dos quais devo ter assistido a quase todos, fiquei encantado com a riqueza da obra de Dias Gomes e, com o trabalho de adaptação feito por Ricardo Linhares nesta versão, sem mencionar é claro os recursos tecnológicos empregados em alguns efeitos especiais. Fiquei boquiaberto com a forma como a obra abordou diversos assuntos e temas tão atuais... discursos primorosamente construídos, permitiram abordar questões que estão em nosso dia-a-dia, aprender a lidar com as diferenças, aceitar nossas próprias diferenças, a hipocrisia, dentre outros - achei a mensagem muito bacana, sendo impossível não se identificar em um, ou vários, momentos.

Nos capítulos finais, me chamou a atenção o desfecho para uma personagem em especial, o Delegado Petronilio, bom moço, que não bebia, não fumava e que tinha feito votos de castidade! Considerado um bom partido, no final, ele faz um discurso muito bacana:

- Sabe eu perdi muito tempo com Reservismos Tolos, com a opinião dos outros, alias eu acho que fiz votos de castidade por medo de ser quem eu sou. Eu achava que ia estar a salvo das tentações. Mas eu fui pego no pulo! 

"Tamo junto, Neide!!!" (explicações da expressão aqui), eu pensei... quem nunca né?!
Quem quiser entender o contexto dessa frase, eu recomendo ver essas duas cenas:



No mais? Tempos de pensar... e de sonhar!!! /
Reza a lenda, que nós temos 7 corpos astrais, não sei se é verdade, mas com certeza tá difícil juntar os meus... sabe aquele dia muito legal que a gente não quer que termine nunca?! Pois é, tenho me sentido assim nos últimos tempos... 

No meio disso tudo, tem ganhado força um outro pensamento, durante um tempo eu fiz trabalho voluntário [LINK], o "sacode" e o carinho que eu recebi nesse último mês tem me levado a repensar a ideia de voltar a me dedicar novamente a algum tipo de trabalho...  meditar eu irei!!!

E o desafio?! É tudo novo de novo!!! ;-)

"A inspiração que vem de um
objetivo importante, de um projeto
extraordinário, faz as idéias brotarem,
a mente transcender as limitações e 
a consciência se expandir
em todas as direções, revelando um
mundo novo e maravilhoso.
Forças, capacidades e talentos
criam vida, e você se descobre uma
pessoa muito melhor do que
jamais pensou ser."
(PATANJALI)

Os Carneirinhos! Eu perdi a conta...

Essa é a primeira coisa que eu me lembro de ter dito, ainda meio dopado, ao começar a acordar de uma cirurgia que eu fiz essa semana. Engraçado é que três horas antes, minutos antes do início da cirurgia, a última coisa que eu me lembro é do médico anestesista me perguntando se eu já estava vendo os carneirinhos...  a mente da gente é uma coisa muito doida!

Eu tinha decidido levar isso meio que "discretamente", mas no fim a coisa saiu um pouco do meu controle e acho que acabei causando uma preocupação para algumas pessoas queridas. Foi mal gente...  Resumindo uma longa história, entre a viagem de São Paulo e Brasília, eu fiz alguns exames, de rotina, e na volta recebi aquela fatídica ligação da minha patologista me avisando que eu tinha uma consulta naquele mesmo dia com a minha médica.

Eu ainda ri, afinal... elas nem se conhecem, e como eu poderia ter consulta naquele mesmo dia, os outros exames nem tinha ficado prontos. Mas eu tinha, além do tom dela ao telefone, ao desligar, juntei os pontos... minha patologista ligou para a outra médica e elas querem me ver, "Acho que me ferrei!" - foi o que eu pensei!

Isso eu ainda conto com calma outro dia, por agora, eu quero mesmo deixar registrado que estou bem e mais que isso agradecer a todos aquele que estiveram junto comigo nesses dias. Matheus, Edu, Lucas (Ermão), Margot, "Dolouglas", são apenas alguns que eu vou citar que fizeram parte do bloco do "Tamo Junto Neide", e em nome de quem deixo meus sinceros agradecimento pelo apoio e amizade. Além da minha família, também há aquelas pessoas que são um presente na minha vida, algumas eu diria que são quase como um remédio milagroso! E acho que nunca terei como agradecer tamanho carinho.   ;-)

Mas, cá estou de volta!!! Por enquanto eu ainda estou no momento "paciente inglês" e não posso abusar muito, mas depois explico tudo com calma.  De qualquer forma, suponha que você tenha que passar por uma coisa chata em um momento muito legal da tua vida?! A gente deve ficar triste ou alegre?!  Talvez triste, porque a coisa chata vai te atrasar em algumas coisas que você queria muito fazer, mas talvez seja bom ficar Alegre também, porque apesar da coisa chata estar no teu caminho você tem tanta coisa legal para te esperando, que faz de tudo para ficar bom logo, né?!

Eu optei por ser grato por tudo e, simplesmente seguir em frente! Infelizmente, eu sei que causei alguns "abalos na força" no último mês, trazendo preocupação e angustia a pessoas muitos queridas a mim. Foi um período estranho, uma espera barulhenta que se faz dentro de um silêncio estranho, que vai se revelando a cada exame, a cada plano que somos obrigados a postergar, e olha que eu tenho uns planos tão bonitinhos! ehehe.

Tantas pessoas se preocuparam comigo, tantas pessoas rezaram por mim, que tenho por dever honrá-las e fazer bom uso dos meus diazinhos daqui para frente. É uma pena que um "muito obrigado" pareça tão pouco para agradecê-las...

Então... em breve, voltamos a nossa programação normal! ;-)


"Aprendi com a primavera; a deixar-me contar e voltar sempre inteira"
(CECILIA MEIRELES)

Uma Surpresa

Para quem ainda não sabia, hoje (12/09) é o dia do meu aniversário!!! Pois é...

Voltando para casa essa semana, enquanto eu diria, eu me lembrei de alguns 3 ou 4 anos atrás, quando por conta de uma situação muito delicada pela qual eu e minha família passamos alguns dias antes do meu aniversário, eu fiquei completamente devastado... sem ânimo para nada! Acho que foi o aniversário mais esquisito que já tive...

Alguns dias depois, uma amiga tentava de todas as formas me convencer a ir a uma jantarada com mais alguns amigos, e eu de todas as formas tentando escapar, esgotado o saco de desculpas esfarrapas, eu me vi obrigado a aceitar... e no dia combinado, lá fomos nós à jantarada na casa de um amigo. Passamos na casa dela para terminar de pegar as coisas e finalmente chegamos à casa. 

De repente, um barulho e estranho e quando me viro para olhar, vários amigos e toda a minha família estavam lá, era uma festa surpresa para mim! A primeira fez que realmente foi uma surpresa para mim! Acho que nem em muitos anos seria capaz de imitar minha cara de espanto, susto e "de paisagem", ao encontrar com todos ali... reunidos! A verdade é que nem eu sabia que tava tão para baixo naqueles dias e aquela festa foi uma mão estendida para mim. Devo essa a minha amiga!!!

E cá estamos novamente em mais um 12 de Setembro...

Normalmente eu sou meio blazè com esse lance de aniversário, não sou muito de comemorar, vez ou outra faço um jantar em casa para amigos, mas confesso que geralmente fico deveras sem graça e sem jeito. Mas esse ano em particular, tudo está um pouco diferente e achei por bem fazer o meu "outing" de aniversário.

Talvez a falsa certeza de que temos muitos aniversários a celebrar, nos tornem meio relapsos com tão importante data. Mais que isso essa displicência nos leva a muitas vezes deixar de dizer um "obrigado", um "eu te amo", para todos aqueles ou aquelas que enchem nossos dias de cores, e até mesmo de celebrar a vida. Como diz o ditado: Só damos valor ao que tínhamos! E muitas vezes precisamos de um "sacode" para dar conta disso.

Por ironia do destino, após todo essas conclusão "lógica e racional", eu vou passar meu aniversário sozinho, fisicamente sozinho é verdade, porque no fundo eu sei que várias pessoas queridas estão comigo em meu pensamento, enquanto eu estou no delas no dia de hoje. Faz parte!!!

Mas, no meio tempo, deixo aqui registrado os meus sinceros agradecimentos à todos que estão e que já passaram por aqui, e que de alguma forma se tornaram personagens no livro da minha vida!

Feliz Cumple para Eu!!! ehehehe


Aqui no Paraguai, um dos ritmos tradicionais é a Polca Paraguaya, e há uma em especial que é muito tocada em festas de aniversários, meu avô adorava essa polca e era costume dele, colocá-la bem cedinho para acordar o aniversariante... Já tem alguns anos que ele se foi, mas ninguém nunca se esqueceu desse gesto dele. Essa não é a melhor gravação, mas serve para quem quiser conhecer um pouco mais.



Felicidades, bien de mi vida
que tu destino te brinde siempre felicidades,
que un cielo hermoso de dicha eterna
alegre siempre tu corazón.
Sea un milagro toda tu vida
gloria enjoyada de realidad
y que en tus sueños también recibas
un tierno beso de felicidad.
(FELICIDADES, Cirilo Ramón Zayas)

Estranho mundo Estranho

Tem alguns dias que ando tentando escrever, e nada! Não que não tenha nada a dizer, talvez até o contrário, mas a verdade é que ando em um tempo meio de conflitos... nada muito sério, ou na verdade, algumas coisas sérias, outras nem tanto, mas a verdade é que está tudo meio bagunçado nos últimos tempos.

Agosto chegou e me atropelou, como um tsunami, não deixou nada no lugar, e mal sabia eu que aquelas "andanças" do início do mês, teriam um impacto tão significativo na minha vida. A sensação que tenho é tal qual alguém batesse embaixo de um tabuleiro de damas, pois é, a vida se encarregou de dar um pontapé embaixo do meu tabuleiro, e tudo o que aparentemente estava no lugar se esparramou por aqui.

Pode parecer que eu estou reclamando, ou me lamentando, não?! Pois é, exatamente o contrário, devo dizer que a tempos não me sentia tão vivo e animado. Contudo, não me lembro mais como tinha arrumado as peças da primeira vez e, descobrir um novo arranjo para o tabuleiro da minha vida, tem sido meu foco nesse último mês. Vem dai alguns desses conflitos que mencionei anteriormente, nada parece estar se encaixando, pelo menos não, no tabuleiro atual.

No meio desse torvelino de emoções, vou tendo que lidar com diversas coisas, algumas boas outras não tão boas assim... e assim, eu poderia citar pelo menos dois outros lugares onde gostaria de estar nesse momento, mas nenhum é aqui. Ainda que esteja fisicamente aqui, a cabeça e o coração tem andado por outros lugares... e devo confessar que eu também gostaria de estar em outro lugar.

De qualquer forma, como diz a música: "O acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído", e assim... vamos nós. 

"Segura no leitão!"


"E afinal o que quero é fé, é calma
E não quero ter estas sensações confusas"
(Álvaro de Campos)

Um Agosto

De repente me dei conta de que não vi Agosto passar...

Me lembro de ainda no final de julho estar lendo o texto do Caio Fernando Abreu, falando sobre Agosto passar, me lembro de ter pensado em fazer um post brincando com isso e, cá estamos!!! Agosto passou... ou me atropelou, não sei direito, devo confessar.

Foram tantas coisas, que não saberia dizer se o saldo foi positivo ou negativo, como diriam meus nobres amigos advogados, in dubio pro reo, ou seja, na dúvida favorecemos o réu, e nesse caso é com alegria que eu declaro que o mês foi de mais de bão!

Fiz algo que há tempos não fazia, viajar!!! Ainda não foi exatamente a viagem que precisava fazer, apesar de não ter feito tudo o que planejara, foi bom revisitar lugares e pessoas que são queridas. 

Retomei algo que a tempos estava parado!!! É bem verdade que vou sofrer um atraso nos planos originais, mas é algo temporário que tenho certeza que em breve eu consigo por em dia, mas foi bom reencontrar um norte, uma direção.

Me senti como a tempos não me sentia!!! E como diria Osvaldo Montenegro: E sem que a gente perceba, a gente se encontra... e tem sido bacana me encontrar, reencontrar, ...  ;-)

No mais, ando em um tempo meio estranho, de espera... de paciência... mas ao mesmo tempo de pressa, queria um bocado de coisas, e assim... vamos que vamos, porque como diz a música: "O acaso vai me proteger, enquanto eu andar distraido!".

Acho que não volto mais em Agosto... mas sabe né, a qualquer momento podemos interromper a nossa programação normal! ;-)

Inté.


Tirei a foto dessa plaquinha, na época em que a Feira da Torre (em Brasília), ainda acontecia embaixo da torre, apesar de ter ficado intrigado na ocasião, mal sabia que precisaria de alguns anos para poder me encontrar... (Viajar, é bom!!!)

The Believer

Acreditar em algo não é algo simples, carregar em si uma certeza que ninguém mais consegue visualizar, ou que na grande maioria das vezes nem nós mesmos somos capazes de explicar e por vezes julgamos que, apesar de nossa crença, aquilo é algo tão distante ou inviável, requer um enorme esforço, e por assim dizer... muita crença!

Mas não deveríamos desfazer de nossos instintos, de nossos desejos e das coisas que acreditamos, se aquela certeza existe em seu peito, por alguma razão ela está ali... é bem verdade que quase sempre iremos enfiar os pés pelas mãos, criar regras, se perder nelas, outras vezes, as coisas não sairão exatamente do jeito que pensamos – ainda bem né?!

Mas isso também deve ser o que se chamam de viver! As vezes me assusto ao perceber que “apesar de tudo”, eu apenas sobrevivi durante muitos anos da minha vida... não que isso me chateie, foram graças a esses anos que talvez hoje eu possa ser capaz de reconhecer algumas coisas ao olhar, ao senti-las. Também não digo com isso que foi fácil, nem que é um caminho a ser seguindo, de forma alguma... provavelmente foi o caminho mais pesado ou penoso, mas foi o melhor que eu pude, ou achei que podia, fazer naqueles momentos.

Uma vez eu vi em um centro espirita, uma plaquinha simples, impressa em papel A4 onde se podia ler: “Tudo Passa!”... Intrigante aquela plaquinha, entre tantas mensagens tão maravilhosas, aquela me marcou. Tempos depois eu viria a entender que passa mesmo! Basta acreditar, ter uma pitada em fé em alguma coisa, e seguir em frente... mesmo quando temos vontade de parar, de voltar ou sequer sabemos para onde estamos indo...

Minha única reclamação se posso chamar assim, é que os momentos bons sempre parecem passar mais rápido que os “não-bons”, mas talvez seja justamente por isso que eles sejam bons, não é?! [hehehe]

E se tudo passa, é sinal que algo novo começa, ou recomeça, e por isso não podemos esquecer-nos de estar prontos e atentos a esse delicioso convite que é a vida...  e sem que a gente perceba a gente se encontra!


E cá estou de volta... Latinha Reloaded!!!

Este deveria ser um PPA (Puta Post Acumulado), mas acho que terei que ir contando aos poucos, vale registrar que a viagem à Brasília foi super show e o regresso me reservava mais uma grata surpresa, mas nem só de momentos bons vive um Latinha e algumas questões surgiram para disputar a atenção, mas como eu disse, tudo passa!

E assim... vamos indo... e a gente vai se falando! ;-)