O Acaso vai...

A vida  e suas lições... me impressiona como somos cabeçudos às vezes, e como que um pouco de "fé" não faz mal a ninguém!

Eu estou afastado do trabalho, havia mais de um mês que não ia à minha casa, naquele pitoresco recanto fronteiriço em que eu resido, então, tendo em vista que minha licença foi prorrogada, eu resolvi ir ver se meu apartamento ainda existia. Foi uma experiência bacana, preciso escrever sobre essa viagem, mas agora preciso "observar" algo que acabou por se tornar uma interessante lição.

De acordo com os planejamentos, eu iria na terça-feira pela manhã e voltaria na quarta-feira, minha mãe me acompanharia, pois além da companhia, ela poderia dar um passeio também, além é claro de termos todo o tempo da viagem para nosso esporte favorito, conversar!!! Eu moro em uma cidade de fronteira, soy fronteirizo, que diferentemente de outras cidades de fronteira, essa é conurbada com uma cidade paraguaia, por essa razão, os centros da cidade unidos, sendo cortados por uma avenida, com um largo canteiro central, que na verdade é a fronteira entre Brasil e Paraguai. Não há posto alfandegário, não há barreiras, e entramos e saímos do país como quem atravessa a rua - aliás, a gente só atravessa a rua mesmo!!! ;-)

Meu apartamento fica em uma avenida paralela a "linha de fronteira", literalmente "à uma quadra do Paraguas", como eu brinco. Na quarta-feira, fomos comprar algumas coisas nos hermanos... Tomamos café e fomos a pé, depois de algumas compras, fomos direto para o carro - que estava em frente ao meu prédio. Em uma parada no banco, minha mãe perdeu que perdera uma carteira que ela carregava, nada muito sério, mas lá estava seu RG, alguns cartões e um pouco de dinheiro. O valor era mais psicológico do que necessariamente monetário, mas é ruim perder as coisas... Voltamos à última loja, refizemos o trajeto e perguntamos na academia que funciona próximo ao prédio, quem sabe alguém teria encontrado, mas nada!!!

Minha mãe ficou meio chateada, ela nunca perde nada! Mas se vão os anéis, os dedos ficam, e dos males o menor. Cartões cancelados, a única chateação é que ela tem uma viagem próxima e precisa de um documento com foto. Imagino que assim como nós, você deve estar pensando que esses documentos nunca mais seriam vistos, afinal, carteira perdida em uma cidade estranha, grudada em um país hermano... 


Mas não é que fomos surpreendidos pela danada hoje?! Uma pessoa, que mora próximo ao meu prédio, havia encontrado a carteira! Oi? Como assim?! Confere produção?!  Confere, o tiozinho, viu o cartão do banco, foi até a agência e pegou o telefone da minha mãe e então ligou para avisar que estava com ele, e que ela podia ficar tranquila. E viva as cidades do interior!!!

Uma amiga deve passar por lá hoje para buscar a carteira e provavelmente me enviará aqui na Capitar, de qualquer forma, mais uma vez fica a lição de que ainda existem pessoas boas... e que às vezes, a gente só precisa ter fé nas coisas! Minha mãe inquieta, sempre repetia que sentia como se a carteira não tivesse perdida... 


Mais uma lição para o meu caderninho!

No meio tempo, eu estou... por ai... preciso parar para escrever, mas não consigo parar! Várias coisas acontecem, e eu estou em meio a um torvelino de emoções! [ehehe] Mas ao mesmo tempo tudo está meio parado, um tempo estranho com certeza... mas, vamos que vamos...  mais tarde quem sabe eu consigo aquietar a cabeça para escrever um pouco.

"...O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar..."

11 comentários:

Douglas S.M disse...

Cara, que estranho. O banco não deveria ter dado o telefone da sua mãe pra terceiros. Tá certo que foi na melhor das intenções... mas e se não fosse ? Que bom que deu tudo certo.

Homem, Homossexual e Pai disse...

gentilezas urbanas emocionam!

Ro Fers disse...

Nos dias de hoje, esse fato é raro.
Abraços!

Thomas Cícero disse...

Por fim vale sempre acreditar que o mundo pode ser melhor ... <3

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Vive algo assim dois dias antes de minha viagem para Buenos Aires ... isto acontece sim ... rs

Eduardo Paiva disse...

Já passei por situacao parecida também. Sempre um grande alívio.
Coisa extremamente rara hoje em dia, mas nao extintas...
Grande abraco,
Du Paiva.

FOXX disse...

Por isso é bom deixar um contato na carteira

railer disse...

eu sempre digo que, se a pessoa quiser devolver o que encontra, ela dá um jeito e consegue. também acredito que a maioria das pessoas são assim, mas é a minoria que faz a fama nesse caso.

falei de você no raileronline hoje!
abraços!

Adriano Só disse...

Interessante essa história. É a prova que ainda existe gente honesta e que uma boa surpresa sempre pode nos aguardar, né! Legal o seu relacionamento com sua mãe! Ela deve ser uma pessoa muito bacana. Agora deixa eu ler o que falaram de você... (rs)

Abração

Fred disse...

"Torvelino de emoções" foi de melar a cueca.... hahahahahaha!

Agora... ainda bem que não foi a sua carteira, nzé? Imagina se iam devolver o tanto de euros e camisinhas que tu leva nela... hehehe!

Eterno fiel escudeiro, milhares de gracias pelo teu carinho no níver do "nosso filhote"... é teu tb, nzé? Hahahahaha! Adoro contar contigo lá e aqui... e em todo lugar! Hugzããããããõoo!

Marcos Campos disse...

Simmmmm ! Ainda existem pessoas boas !
Afinal, gente como a gente ! Por isso esse mundão não acabou ainda !!
Gostei das fotos das ruas arborizadas ! Ipanema me deu uma melhor impressão por não se tratar de avenidas largas, eram ruazinhas mesmo, cheias de árvores, e seria legal de grandes centros urbanos trocassem seu cinza por um verde bem vivo ! Mas, tem tanta gente urbanóide, há vizinhos por aqui que dizem que árvores fazem sujeira ! E não plantam ou matam as tais ! É mole ?
Abraço !!

Postar um comentário