Viver com Fé

Tem coisas e assuntos que eu não gosto de discutir por aí, seja por falta de paciência, seja por preguiça das pessoas, seja porque Mamãe já dizia que religião, futebol e política não se discute. Pessoalmente, eu tenho algumas visões que são muito particulares sobre alguns assuntos, que não raro se chocam com as minhas próprias crenças ou princípios das crenças que eu simpatizo.

Mas, ultimamente, um assunto tem me rodeado bastante, a fé!
Que não necessariamente tem a ver com religião A ou B, mas como algo que como eu vi alguém definir outro dia,  está ligada a nos despertar o gosto de viver, ao que nos faz seguir adiante perante as adversidades da vida, ou ainda, atrás de uma explicação.

Tem um tempo que eu venho namorando esse livro, Viver com Fé (Cissa e Patricia Guimarães), não me pergunte a razão para eu ter resistido por tanto tempo a lê-lo, não há um motivo em especial, ou quem sabe, talvez ele exista e eu não tenha confessado nem a mim mesmo. De qualquer forma, da última vez que nos encontramos, em uma livraria alguma horas antes de uma viagem, eu me rendi a ele... Algumas horas de viagem pela frente, a cabeça um tanto inquieta, pareciam um bom momento para essa aproximação.

O livro nasceu da experiência pessoal das autoras com um programa de televisão, exibido na tv a cabo, a princípio pode parecer um tanto piegas, mas confesso que eu gostei do livro e gostei de tê-lo lido. Seus relatos soaram quase que como uma terapia em grupo, e perceber as pessoas de diferentes origens e perfis, que além de compartilharem algo comum, no caso a fé, ainda expõe sua visão sobre ela e de sua influência em suas vidas ou em importantes momentos, foi algo bastante interessante.

A fé me parece ser algo inerente ao ser humano, acredito que nascemos com ela, talvez por isso seja tão difícil para alguns acreditar, para outros explicar... eu sempre me achei um homem de fé, talvez inspirado pelo exemplo da minha mãe, e pela linhagem de mulheres fortes do qual ela descente.

Ter fé não significa que as coisas serão mais fáceis, ou um "passe livre",  mas significa uma certeza, ainda que sem nenhuma base científica, ou mesmo quando a razão aponta para outras direções, de que tudo no final vai ficar bem, que vamos conseguir sair do outro lado. Piegas?! Talvez sim, talvez não, quem sabe?! 


Mas no final, "os ventos que levam, também são os ventos que trazem..."



"São Miguel Arcanjo, protegei-nos no combate, defendei-nos com o vosso 
escudo contra os embustes e as ciladas do demônio. Deus o submeta
instantemente o pedimos, e vós, ó Príncipe da Milícia celeste, pelo Divino 
poder, precipitai no inferno a satanás e aos outros espíritos malignos que 

andam pelo mundo procurando perder as almas."
("diz a lenda"... que a crença na verdade do bem, que S. Miguel tinha,
o moveu a travar sem medo um embate com Lúcifer, o Mal).
 

Que possamos de alguma forma nos encontrar, ou reencontrar, com a nossa fé... e vencer os embates nosso de cada dia.

Até! ;-)

15 comentários:

railer disse...

é preciso fé, afinal se a gente não acreditar no que busca, como vamos chegar lá?
boa dica esse livro!

Douglas S.M disse...

Andar com fé eu vou... que a fé não costuma faiá...

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

"os ventos que levam, também são os ventos que trazem..." assim eu tenho conduzido minha vida ... já fui um cara de militância religiosa mas, hoje, me desliguei definitivamente de todo e qualquer vínculo com qualquer uma delas ... tenho a minha fé inabalável na VIDA e no seu CRIADOR ... para mim isto basta ...

Fica bem querido ...

Fred disse...

Eu tenho algumas "fés" (nenhuma com ranço católico, claro)!!! Uma delas é em ti! E faz tempo! Hehehehe! Hugzones!

Bruno Garcia disse...

Fé e Esperança, duas palavras distintas que se entrelaçam muitas vezes dando um só sentido, ao menos parar mim...rs
Abração :)

wair de paula disse...

Primeiro - já viu o programa Na Fé, do Veríssimo, na GNT? Interessantíssimo.
Segundo - não sou o que se pode chamar de um "homem de fé". Essa certeza do happy ending já foi trocada pelo aceite, de bom grado, de que "pode dar certo". Sou otimista, e estóico - isso substitui este termo impalpável para mim.
Forte abraço.

Ro Fers disse...

Gostei de seu ponto de vista, principalmente no último parágrafo...
Acho que a Fé é a essência para dias melhores...

Abraços

Thomas Cícero disse...

A fé acaba se tornando um dos fundamentos da vida um dia vai ter ela ou se não vai morrer tendo sem saber.

Israel Freitas Silva disse...

A fé independe da religião e crença. Está dentro de nós, fazendo parte de nosso ser. Sem ela não vivemos e ficamos descrentes do mundo e de todos.

Abraços

Fred disse...

Boa essa dos repórteres do sul... hummm... vou começar pelos que eu catei... mas daí vira TOP23... hhahahahahahahaha! Hugzões!

Fred disse...

Ah, os fradinhos fanfarrões... sempre lembro deles quando penso em nós.... hehehehehe!

Fred disse...

"Te chuto a cara com os dois pés sem cair no chão"... ah, sim!!! Uso muito esse golpe... #sabecomoé, nzé? Hahaha! Hugzones!

Luma Rosa disse...

Oi, Latinha!!
Acreditar em algo mais nos faz mais fortes e o "fardo" da vida se torna mais fácil de ser aceito. Temos que acreditar! Não vivemos para nada. E por quê existir tudo se não houver um motivo?
Vim lhe desejar boas festas e um feliz 2014!!
Beijus,

Marcos Campos disse...

Sim, sim ! Fé pode ser até aquela na gente mesmo !
E acho que talvez essa seja uma das melhores ... religiões? Sempre tive problemas com regras ... minha fé talvez seja no bem, nas boas ações.
E é isso que me move, tentar (pois nem sempre é fácil) ser uma pessoa boa, com tudo o que existe no planeta !
Abraço !

Fred disse...

Latinha, cadê você?!?! Eu vim aqui só pra te comer, ops, digo, ver!!! Hahahahaha! Meu eterno fiel escudeiro: boas festas e um ano novo de fechar o comércio pra ti, meu querido!!! Hugzão do Fredão!

Postar um comentário