Presente do Dia dos Namorados

Então, eu podia estar fazendo um bocado de coisas e eu DEVIA estar lendo uma pilha de artigos que eu trouxe para fundamentar um projeto, mas.... em funções das condições climáticas lá fora, eu estou aqui, na cama, enfiado no meio de um edredom, tentando trazer comida da cozinha com a força do pensamento e fuçando na Internet atrás de bobeira.

Como vocês podem ver eu sobrevivi ao Dia dos Namorados, blèp! :P

Mas é impossível não pensar sobre ele, devido ao bombardeio a que nós mero mortais somos submetidos diante de tal data... talvez por isso eu tenha me lembrado de um "causo".

Uma vez, eu contei aqui no blogue sobre o primeiro presente de dia dos namorados que eu ganhei (infelizmente, ele também continua sendo o único, mas isso é outra história). Eu estava querendo virar um mocinho, acho que eu tinha uns 12 anos... e estava morando no Interior de São Paulo. Saído de um apartamento em São Paulo, foi um termo de descobertas para mim, finalmente eu podia andar de bicicleta pela rua, jogar bola, tinha um cachorro!!!  Esse mundo de aventuras me custaria uma clavícula quebrada e alguns tombos de bicicleta - eu tenho uma cicatriz na coxa, por conta de um desses tempos, em que eu literalmente fiquei "ralado" por quase um mês. 

Ela era minha colega na escola... mas eu só fui notá-la nas aulas de catecismo! Pois é, fui desses! E foi assim, que todas as minhas táticas para escapar da missa no domingo de manhã, foram por terra abaixo... No fim, eu acabaria virando coroinha por conta dela, pois ela ajudava na igreja. Bem magrinha, mais ou menos da minha altura na época, ela tinha olhos grandes e o seu grande terror eram os cabelos, que eram mais crespos. 

Ah! detalhe importante, a mãe dela era a carola mais carola da cidade e o pai, bem... o pai tinha sido Padre naquela paróquia - tendo abandonado a batina, ele se casou e desde então, trabalhava naquela igreja. Ela teve duas filhas, a mais velha tocava órgão nas missas e nos casamentos, me lembro de um dia, enquanto conversávamos em um sábado a noite "na praça", ela muito nervosa e constrangida, me contaria que tinha sido adotada... (Bom, se hoje, saber que a pessoa por quem estou interessado foi adotada não faria a menor importância para mim, naquela época então.)

E assim, minha primeira namorada foi, "A filha do Padre!". 
(Acho que isso explica muito coisa... rs).

Nunca houve um pedido formal, e devo reconhecer que eu sempre fui muito lerdo para essas coisas - até hoje, mas naquele dia de junho, em um distante oitenta e qualquer coisa, eu vinha descendo a rua e quando virei na esquina a encontrei. Nervosa, ela me entregaria um embrulho, ali mesmo, e logo partiria embora... Era um presente que eu não consiga entender muito bem porque estava ganhando... Foi tudo muito estranho para mim... mas, okay! Obrigado!!! (Que burro que eu era/sou/sei lá...)

Não muito tempo depois, eu mudaria daquela cidade... e lá ficaria ela. 

O presente em questão... e que foi objeto de muita risada pelo Fred, do TPM de Macho uma vez, era um talco da linha "infantil", "juvenil", sei lá... da Avon. Era um talco jogador de futebol que a tampa era um apito! Eu não sei que fim levou o meu bendito presente, em alguma mudança eu devo tê-lo perdido... e quando mais velho, quando finalmente comecei a entender todo o significado daquilo, não mais achei para comprar. Nem na internet eu achava foto, até que hoje, fuçando... eis que eu encontro uma imagem de um catálogo da Avon de mil novecentos e bola... e quem estava lá, todo pimpão?!


Caraca, do jeitinho que eu me lembrava dele... fui obrigado a rir sozinho!

Só para constar... alguns poucos anos atrás, olhando as fotos do casamento de uma grande amiga da minha mãe, quem aparece em uma das fotos?! Exato! Os mesmos olhos grandes e escuros estavam lá, praticamente o mesmo rosto, ela se tornou uma bela mulher!!! E pelo o que pude ver, finalmente tem o cabelo que sempre desejou, junto dela uma garotinha.

Ela já era mãe! As fotos seguintes me "apresentariam" seu esposo e a filha, que se parece muito com ela quando era pequena... Olhando as fotos era nítido que formavam uma bela família, confesso que foi estranho revê-la, como assim casou?! [kkkk] Passado o susto, de coração eu espero que ela seja muito feliz. 

Acho que nessa altura dos acontecimentos já é meio tarde para agradecer pelo presente e dizer que ela seria muito importante na história da minha vida, e que mal sabia ela que muitos anos depois eu ainda estaria falando do presente que ela me deu aquela tarde!
(E que eu, muito topeira, nem sabia a razão direito).

Quem sabe no ano que vem, né?! kkk

23 comentários:

Anônimo disse...

Ahahahaha que história bacana! Talvez seja tarde para agradecer, mas um dia sentir o mesmo que você... olhei a foto de um antigo namorado, ele já caso e com filhos! Que louco ne? Engraçado também rs

dentrodabolh.blogspot.com

Eduardo de Souza Caxa disse...

Até que o jogador parece contigo!
Já do meu lado nem sei qual foi o primeiro presente. Acho que porque já estava "casado" e grandinho, não ligava tanto para a data em si. Mas lembro de presentes não-relacionados. :-)

Boa sorte ano que vem! A julgar pelas torturas que vi para com o santo...

Douglas S.M disse...

Pergunta que nao quer calar : Qdo vc tinha 12 anos já existia Avon ? kkkkkk

Indio quer apito.

Gera Souza disse...

Hahahahahahahaha me diverti lendo seu texto e dei muitas risadas imaginando "as cenas".... vendo você parado no meio da rua segurando o "talco da avon"... raxei!
Bom demais!!!
Bj

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Nada como ter boas memórias né? A cena, como disse o Gera deve ter sido impagável, segundo nossa ótica de hoje, pois, naquele tempo, era o must ... rs

Eu sou do tempo do pó de arroz e do talco em lata ou em caixa amigo ... kkk

Três Egos disse...

Adorei esta sua nostalgia, é engraçado como certas coisas ficam em nossa memória bem cravadas, principalmente, estes romances que temos quando estamos acabando por entrar na adolescência. Meu primeiro presente de dia dos namorados não foi nada de diferente, nada como um talco (rs), foi uma caixa de chocolate.

Grande abraço e desculpa pela minha ausência!

Antonio de Castro disse...

primeiro eu tenho que falar: vc deve ser um partidão. se até a filha do padre você já pegou.

quanto ao dia dos namorados, esse ano foi o mais fácil de todos pra mim. essa copa do mundo acabou que tá me ajudando.

quanto a menina, acho q ela iria gostar de ouvir a importância daquele presente de tantos anos atrás. foi engraçadinho.

Rafael Nicola disse...

Ótima lembrança... Achei tão lindinho... rsrs

Alan disse...

Que nostalgia master senti daqui. Hahahah Muitíssimo bom lembrar de gente do passado dessa forma, com significado que as vezes nem essas pessoas sabem que tem. Abraço!

Luiz Carlos Lucas disse...

Que história mais delicinha! Quando se diz que a vida e a beleza das coisas estão na simplicidade, depois tem gente que duvida. Pena que, muitas vezes, só descobrimos isso depois de passados os fatos...

Homem, Homossexual e Pai disse...

Muito muito divertido este post, e o "talco jogador de futebol com apito para por a boca" ´´e bem siginificativo, do ponto de vista Freudiano concorda? rsrsr

Homem, Homossexual e Pai disse...

anotou o email?

Madi Muller disse...

Essas é uma ótima lembrança, e foi muito bem contada,quase senti o cheirinho do talco...

railer disse...

esse ano, como tudo que tá acontecendo na minha vida, passei essa data batida, só pensando mesmo na copa e no futuro...

Ro Fers disse...

Viver é recordar... muito bom relembrar tais fatos...
Pena que o tempo voa de forma cruel...
Abraços!

Mark disse...

Belas lembranças... Dia dos namorados, eis um dia que eu nunca comemorei.

O Menino que Voa disse...

"...tentando trazer comida da cozinha com a força do pensamento" é hilário. De onde vc tira essas coisas? Amei. 
Agora, sobre o seu primeiro presente de dia dos namorados: porque "nessa altura dos acontecimentos já é meio tarde para agradecer pelo presente e dizer que ela seria muito importante na história"? Jamais é tarde para reconhecer que alguém é muito importante. Jamais é tarde para dizer para alguém o quanto ele ou ela foi (ou é) importante para a construção de quem vc é, hoje. 
Digo isso, simplesmente, porque amei sua história. E acredito que ela se lembraria disso com todo carinho, se você a deixasse lembrar-se disso.
Eu voto em uma mensagem para ela. Com todas as figuras de linguagem que vc teria direito, a fim de agradecer o presente. Não aquele presente que ela furtivamente te entregou no passado, mas o presente de poder lembrar com ternura desse momento, sorrir, ver que passou e que vc se tornou uma pessoa tão querida e especial para tantas outras. 

Fred disse...

Peraêêê!!

"... e que foi objeto de muita risada pelo Fred, do TPM de Macho"... como "FOI"?!? Ainda é, caro mio!!! Hahahahahahaha! Essa do talquinho é para sempre, meu fio!!!

Mas tu sabes que para além do meu deboche está meu respeito para essas memórias delicadas - e saudosas - que todos temos! Nostálgico fiquei!!! Hugzões!!!

Nyno disse...

Latinha querido! Recebi o seu comentário no blog! Confesso que andei bastante afastado da "blogosfera" viu! Que alegria saber do seu interesse! Seu blog continua sensacional! Quero voltar há muito tempo, mas, falta o empurrão sabe? Quem sabe né? Grande abraço! Nyno.

Anônimo disse...

Latinha, fiz essa pergunta em um blog que acompanho mas o autor não soube me ajudar, como vc é da área de tec talvez saiba. Preciso da sua ajuda ou de algum leitor seu que saiba. Eu leio vários blogs, e quando eu faço login da minha conta do google/blogger sempre aparece as atualizações dos blogs, de todos que acompanho. Porém não está abrindo todos, e sim somente a atualização do último blog que atualizou na lista de blogs que sigo, mesmo estando clicado em "todos os blogs". O que faço? você ou alguém pode me ajudar?
Nick

Vulgo Emilie disse...

oi? como assim? desde então você não teve mais namorada ou não ganhou mais presente? eu, sinceramente, não ligo pro dia dos namorados. meu namorado e eu até esquecemos. só fomos lembrar porque todos no Twitter estavam falando disso. tipo, foi até motivo de riso depois. portanto, o dia dos namorados não é motivo de tristeza. apesar de que antes eu me sentia meio triste (vai entender...).

Marcos Campos disse...

Que legal essa história ! Tem "causos" que irão nos acompanhar a vida toda mesmo !

Abraço !

No Limite do Oceano disse...

Latinha adorei esse seu post, e não é incrível que o que eu escrevi te tenha levado a me dar o link para um post que me fez sorri e muito?

Também me fez pensar, porque mais uma vez está a prova que há pessoas que seguem o seu rumo, formam uma família e fazem tudo por tudo para serem felizes.

O seu presente é um mimo, e pelo o que li ficou na sua memória, como o meu ET :-) e este tipo de post é a prova que vale e muito um blogue, partilhar e sorrir :-)

Abraço Lusitano!

Postar um comentário