Ser amigo é... [2]

Ter que trocar um sonoro "eu te disse", por um abraço, um café e uma boa conversa! 

Dia desses um amigo se viu as voltas com um "conhecimento", eu juro que não queria, gostaria de ser uma pessoa descolada e com a mente aberta, mas tem coisas que simplesmente eu não vejo com bons olhos. Todos nós temos consciência, ou deveríamos ter, de que preconceito não é uma coisa boa e talvez por isso mesmo é que tenhamos muita dificuldade em assumir que sim, somos preconceituoso - pelo menos eu sou. 

Enfim, quando ele comentou comigo sobre "as conversas iniciais"... um grande sinal de alerta piscou na minha testa! Há coisas que para mim são como uma "vaca na árvore", eu não sei bem como acontece, mas tenho certeza de que vai cair. E, assim como a gente perde um amigo, mas não perde a piada, ainda que tivesse consciência de que ele tinha bastante expectativas em relação as possibilidades envolvidas, me vi compelido a comentar algumas coisas - ou pelo menos tentar mostrar os pontos que me despertavam preocupação.

Óbvio que de certa forma fui chamado de preconceituoso (o que diga-se que tem sido meio "moda" nas últimas semanas, nzé?), ouvi que a vida tem que ser vivida e que supostamente deveríamos tentar as possibilidades que surgem, ainda que estas fujam um pouco do "tradicional". Fiquei tentando digerir aquilo, talvez ele também tenha razão, mas, ainda assim... continuei não conseguindo ver as coisas com bons olhos. Me preocupei muito com as possibilidades que eu enxergava para o desenrolar de tudo aquilo.

Não vou dizer que eu estava certo ou errado, mas as coisas não evoluíram da forma que meu amigo esperava (como eu previa!), na verdade, tenho para mim que ele projetou tudo o que esperava na pessoa errada... Me solidarizei com ele, é duro quando queremos algo e pensamos ter encontrado, a sensação de que aquilo está escapulindo entre seus dedos não é boa. Enfim, a coisa não resultou bem, e ele optou por beber até a última gota, escorrida lentamente dentro daquela taça de veneno...

Ser amigo é... esticar a mão e amparar o outro quando este leva um trupicão da vida! Ainda que eu queria ser mais descolado e mente aberta, confesso que nessas horas me pergunto seriamente se vale a pena aceitar determinadas situações... 

Minhas últimas semanas andam meio... diferentes! No meio disso eu tenho tentando pegar o ritmo das coisas,mas... vamos que vamos! =D

(Michele Grandinetti -  (Cover) Lea Michele - Battlefield)

Musiquinha para aquela manhã fria, mas que tem um solzinho bom de ficar "lagarteando".

Inté!

"O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais,
há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante 
que nem eu mesma compreendo. 
Sou uma alma intensa, uma alma que não se sente bem onde está, 
que tem saudade... Sei lá de que!"
(FLORBELA ESPANCA)

9 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Claro q existem coisas q não digerimos, claro q todos nós temos os nossos momentos e situações em q os preconceitos de alguma espécie afloram, mas tb existe aquela questão ... não tenho mais permitido em minha vida q as oportunidades e possibilidades passem batidas ...

Sérgio disse...

Ser amigo é estar sempre lá, e tu és de certeza um grande amigo :)
Musiquinha boa :)
(A Florbela tinha sempre uma grande sede de infinito)

Madi Muller disse...

Só por teres colocado um trechinho da Florbela Espanca,vc já tem todo o meu amor e admiração,Latinha!!!!!

Gera Souza disse...

Também admito que tenho um pouco de preconceito! #prontofalei!!!
Não sei ao certo como se dá, mas acontece em momentos que algo me parece estranho ou que eu não consigo "digerir"...
Bem, de qualquer forma, é muito complicado, quando alguém deposita todas as fichas em você, sem nem ao menos lhe dar tempo para se organizar, se preparar, se envolver. A pessoa te envolve, chega até te sufocar com as coisas dela e não enxerga o obvio... daí dá nisso né mesmo?
Eu não procuro ser amigo dessa pessoa não, corro o risco dela achar que tem alguma chance e ai fudeu! Rsrsrsrsrsrsrs

Antonio de Castro disse...

preconceito é mesmo o prato principal dos bares onde eu sento pra beber. só se fala disso.

mas acho a discussão válida e gostei de você assumir o seu preconceito aqui. a gente normalmente demora pra perceber os nossos.

mas eu sou um tipo de amigo que julga menos... talvez porque eu seja diferente da Florbela no fim do texto e exija menos da vida.

Anônimo disse...

Ser amigo é ficar em silêncio e abraçar o outro quando ele precisa...

dentrodabolh.blogspot.com

Cristiano disse...

Li e re-li e nao entendi o seu preconceito era de que?

Fred disse...

Assim não dá. Meus encanadores não são páreo para sua Florbela! Humpft... #sesentindoumaamebaagora... haha!
Ser amigo é ser fiel escudeiro full time... tu sabes, nzé? Hugzones!

Marcos Campos disse...

De fato temos nossos preconceitos. Mas isso pode e não pode ser motivo pra se ser ou não amigo de alguém. Cada um pensa de maneira diferente. Pode ser preconceito ou não. As vezes a gente fica mesmo achando que tudo será difentente, quem nunca ?. Mas o bom, quando tudo dá errado, é saber que pode sempre contar com um "eu te disse" ou um abraço com café !

Abraço e boa semana !

Postar um comentário