Business & Pleasure

Primeira fase das andanças foi completada com sucesso!

Terminada algumas reuniões que eu tinha na sexta-feira, podemos dizer que a viagem realmente começou, e creio que a palavra de ordem foi... Envelhecer!

Interessante ver a ação do tempo, sobre as pessoas, sobre as relações, sobre a vida em geral... como eu disse no outro post, uma das missões da viagem era "levar" meu pai para passear,  o que incluía vistar algumas pessoas amigas de longa data e que há tempos não víamos pessoalmente. Para muitos, isso pode parecer meio chato, mas confesso que eu até gosto... desde sempre, eu converso com os amigos do meu pai, então hoje, que a maioria deles já são "senhorezinhos", acho interessante conversar com eles.

O primeiro amigo que visitamos, ainda em São Paulo, fazia muitos anos que eu não o via, só tinha notícias pelo pai... confesso que fiquei surpreso ao reencontrá-lo... a visão que eu guardava dele, provavelmente de algum almoço em casa quando eu era criança, era a de um homem, "amigo do meu pai". E de repente, encontro um "senhorzinho", ainda ativo e bem disposto, cuidando de sua própria empresa, mas que já apresenta na pele as marcas do tempo e, cabelos bem branquinhos! Caraca, meu pai não tem os cabelos brancos, apesar da idade, ele ainda esta um pouco grisalho apenas e talvez seja por isso o meu espanto inicial.

Outro ponto alto da visita, foi a casa de um amigo de infância ele, dessa vez em Campinas, sabe aquela casa que você ia criança?! Foram várias festas de Natal, aniversários, almoços de domingo, casamentos, em que estivemos juntos. Cresci chamando-os de Tio e Tia, e lá me sinto tão a vontade, que já havia voltado outras vezes sozinho, e dessa vez, com o meu pai, a coisa foi como das outras vezes, é como se por uma tarde, eu tivesse a chance de voltar no tempo.

A casa, os móveis, a dinâmica da coisa toda... o café da tarde preparado, que apesar do delicioso bolo de chocolate que havia sido feito, parecia que a qualquer momento veria sob a mesa aquele "famoso" rocambole [com goiabada] que a Tia sempre fazia e que eu adorava!

Infelizmente, o tempo também tem seu preço... teria sido uma tarde igual aquelas de antigamente, não fosse a lembrança daqueles que já partiram ao longo desses anos e das histórias de doenças, e hospitais, que sem fazer cerimônia passaram a ganhar maior espaço nas conversas. 

De qualquer forma, fiquei feliz em vê-los conversando... além da certeza que quase sempre não somos capazes de reconhecer a sorte que tivemos [ou temos], serviu para reforçar a certeza que quando temos amigos de verdade, não importa a distância, ou os dias que se passaram, sempre é tempo de poder "viajar"! 

E agora, vamos a segunda fase... novos destinos, novas cores, novas histórias, novas conversas...

Este vento que está soprando as ondas
Continuará soprando depois que todos se forem
E o mar revolto e os sussurros do mar
Ainda estarão aqui quando outros dias vierem
A areia da praia, transformada em torres pelas crianças
Ainda estarão aqui, mesmo depois de crescermos
E este sol que desaparece tão de repente
Ainda irá iluminar outras vidas
Nem tudo o que existe é levado pelo vento
Nem tudo está morto e enterrado na areia
Banhado pelos oceanos
Melhor não saber tudo
Para seguir em frente, sem perguntar tanto
Para cair, para levantar, sem ter que lembrar
Para dar amor, dar amor

10 comentários:

Douglas Marques disse...

Apareça no RJ, eu lhe evoco, Latinha ! Com o poder de todos os meus cristais ! hehehehe

Latinha disse...

Ih Fiote, além de precisar de uma jazida de cristais, esse cristal precisa ter um limite de crédito alto! [kkk]

Adriano Só disse...

Poxa, invejinha branca de você, que pode curtir seu pai dessa forma! É muito bom rever amigos, relembrar momentos passados, é a nossa história. E você veio pra cá! Vai saber se não ficamos perto! (rs) Como eu comentei no meu blog, da próxima vez a gente combina um café, que tal?

Nossa! Que música mais linda! Tem tudo absolutamente a ver com seu texto! Ilustrou perfeitamente todos os seus sentimentos. Eu nunca ouvi falar desses cantores. Vou pesquisar, gostei demais!

Abração

Bruno Garcia disse...

Retornar à lugares que não vamos a muito tempo, automaticamente o passado se faz presente; É como se tudo que ficou longe, voltasse em segundos e temos a sensação de que ainda somos crianças ou adolescentes! Tenho essa sensação quando vou a alguma casa de algum parente ou até mesmo quando passo na porta de alguma casa em que morei...tudo volta a lembrança e isso é bom demais! Uma nostalgia gostosa;
Super abraço!

Margot disse...

Nossas viagens à velhice começam na infancia, quando aprendemos a observar nossos pais e parentes mais velhos. Te digo que essa viagem não termina nunca e aos poucos passamos a fazer parte dessa velhice para aqueles que chegam depois de nós.
É preciso aprender a envelhecer... merecer envelhecer e por fim, envelhecer com gratidão. A vida nos ensina isso ao longo da viagem.... se formos estudantes atentos, teremos uma velhice sábia.

Incrivel como voce sempre encontra o poema(musica) adequados ao post... isso sempre me encantou.

Beijos querido e saudade.

Ps:Idan Raichel???? Lucas fazendo escola...rsrrsr

Ro Fers disse...

Muito bom rever pessoas do passado, e poder relembrar saudosamente dos tempos que já se foram...
Abraços!

Fred disse...

Revisitar pessoas, lugares e memórias (quase) perdidas é uma boa forma de revisitar a si mesmo, nzé? Muito bom! Mas claro que os novos destinos precisam estar (sempre) em vista! Hugzões!

FOXX disse...

boa sorte na segunda fase, querido, boa sorte.

Alex M. disse...

Bela viagem, que, imagino, poucos têm a oportunidade de fazer.
Recordar, especialmente podendo estar presente nos lugares e na companhia de pessoas que habitaram nossas vidas, além do prazer em si, é sempre uma oportunidade de podermos nos revisitar, nos reconhecer, nos conhecer melhor, e aparar arestas que pudermos encontrar para um futuro melhor, mais feliz.
Pena que eu não posso fazer isso. O preconceito de muitos afastastou-me de familiares e amigos da família, a cidade duplicou, e dos lugares por onde eu andava quando crianças praticamente só sobraram as ruas e seus nomes...
Memória sentimental é algo importante em nossa vida! Não ficar presente ao passado, mas sabê-lo um componente do presente.

Grande abraço

railer disse...

relembrar pessoas e fatos é sempre bom.
e saber envelhecer é preciso.

Postar um comentário