Partidas

As pessoas vão surgindo em nossas vidas por diferentes maneiras, algumas vão ficar, outras serão fatalmente esquecidas e terão aquelas que de alguma forma, ficando ou não, irão marcar nossas vidas de alguma forma. Além de ser uma escolha, sempre acreditei que a amizade é algo que demanda cuidados, investimento, carinho, deixando para trás aquela ideia de que é preciso estar fisicamente "ao lado", o mais importante é estar junto.

Tenho amigos que não vejo "todo dia", pelos mais variados motivos, mas cada reencontro é sempre uma celebração à continuidade das nossas histórias, e parece que nunca estivemos separados. Por outro lado, existem pessoas, que apesar de todo nosso esforço, simplesmente parecem ir pelos vãos de nossos dedos, talvez, para esses, o equivoco seja atribuir-lhes o título de "amigos"... Quem sabe, seja uma forma de teimosia que nos faz ceder a tentação de nos debatermos na tentativa desesperada de não cair no esquecimento de tais pessoas. 

O ano novo chegou e de certa forma um dilema se instalou para mim, um daqueles que a tempos eu vinha protelando enfrentar. Nunca é fácil aceitar que somos uma "segunda opção" da vida de alguém, que na verdade, estamos sempre oferecendo mais do que recebendo algo em troca. E assim, na mesa, sob todas as cartas lançadas até então, mais do que o esquecimento, fica o orgulho ferido... e a dura realidade das coisas. 

Provavelmente seja tempo de se afastar de vez, provavelmente em uma saída à francesa,  visto que, aparentemente, qualquer alarde de nada adiantaria também. É como cortar um galho de uma roseira, onde se observa diversos botões, apesar da perdas das possibilidades de cores que cada botão poderia oferecer, de nada adiantar tê-los se há ninguém para apreciá-los.

Ainda que a memória leve um tempo a se acostumar com a ausência, seguir a diante é a ordem do dia.

Depois de um final de semana "festeiro", agora é reunir forças, e $$$, para dar uma viajada nos próximos dias... na pauta do dia, velhos amigos, muitas risadas e bons momentos para aquecer o coração! ;-)


Quero ser o teu amigo. Nem demais e nem de menos.
Nem tão longe e nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida,
Da maneira mais discreta que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar.
Sem forçar tua vontade.
Sem falar, quando for hora de calar.
E sem calar, quando for hora de falar.
Nem ausente, nem presente por demais.
Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
É bonito ser amigo, mas confesso é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência.
Vou encher este teu rosto de lembranças,
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias...
(FERNANDO PESSOA)

12 comentários:

Margot disse...

Não precisa dizer mais.
Você falou na medida certa, como sempre. E .... você sempre deixa doces lembranças.
Abraços Latinha

Speedy the Turtle disse...

Seremos sempre a "2ª" opção de alguém. Basta sabê-lo e aceitá-lo. Abraços Latinha

sad eyes disse...

Disseste tudo e, como sempre, muito bem.
E é sempre um prazer ler Fernando Pessoa por aqui.
Obrigado :-)
Abraço

Edu ardo disse...

É, eu sei o que você quer dizer, também pus e fui posto de lado por amigos ano passado e durante a vida. Complicado. Mas que sejam felizes.

Marcos Campos disse...

Oi !
É, partidas as vezes são necessárias, e escolhas também ... ainda bem que a gente escolhe a gente !
O como escreveu Fernando Pessoa na última linha precisamente:
"Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias..."
Abraço e boa semana !!

Mabe disse...

Deixa ir....melhor que se vá agora do que mais tarde...simplesmente não dá para segurar todos.

Vai bater perna, é????? E podemos saber onde a beldade vai fazer EPF e com quem????? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Abraços.

Fred disse...

Tzá... me comment foi ou não foi? Maldito blogger!

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Finalmente aqui cheguei ... Agradeço o seu carinho lá no TPM do Fred ... aproveitei para viajar um pouco pelas emoções do Latinha e confesso q gostei muito ... seguindo e linkando para não perder de vista ...

Amigo ... na vida sempre nos exigirá isto ...um tempo para acertamos as distâncias ... sempre teremos q fazer escolhas, sempre teremos q nos despedir, sempre teremos q nos angustiar com tudo isto ... mas enfim ... mesmo assim ela continua valendo a pena ...

bjão

Dil Santos disse...

Oi Latinha, tudo bem?
Infelizmente as coisas são assim, sempre tem um que doa demais, que ama demais e ñ tem a mesma recíproca. Aprendemos? Não, sempre continuamos cometendo o mesmo erro, se é que amar demais é um erro, rs.
Mas o tempo ajuda a cicatrizar, sei que isso é meio clichê, mas é verdade, rsrs.
Que bom que gostou, rs.
Engraçado que eu tava sentindo falta de sair visitando um monte de blogs sabe, eu fiquei meio afastado e desmotivado. Agora voltei com tudo, rsrs
Bjo menino

FOXX disse...

pois é, eu sempre fui a segunda opção na vida das pessoas, mas pode piorar viu? vc pode não ser considerado nem uma opção.

Frederico disse...

no caso de amizades muitas pessoas para mim foram, poucas voltaram, as que voltaram é que eu realmente considero, mesmo n estando perto o contato e a amizade ficou. Agora nos amores, os que foram nem quero que voltem ehehehe

railer disse...

às vezes sinto isso também. pessoas que se aproximam como amigos mas no fundo têm um interesse seja na sua inteligência, no seu carro, no seu dinheiro, enfim.

o lance é aprender a ser feliz com aquilo que a gente tem e enxergar quem realmente está do lado da gente. amizade é uma via de mão dupla.

Postar um comentário