Manuscrito

Buenas!

Então... cá estou! Alive and Kicking...
Além de estar meio enrolado por conta do trabalho nesses últimos dias, confesso que ando meio preguiçoso para escrever... na verdade, ando pensando, pensando e por ai vai. De qualquer forma, esse final de semana eu vou por "as correspondências" em dia e retribuo as visitas e passo para ver "o pessoal".

Dia desses eu estava atrás de um arquivo e achei um texto que eu escrevi um dia desses, quem me lê a mais tempo já encontrou algumas postagens escritas à mão, quem me conhece um pouco mais de perto, já recebeu meus cartões analógico-digital [kkk]. Eu sou meio nostálgico para algumas coisas e uma delas é escrever... adoro canetas, adoro sentir a tinta molhar o papel e para mim é uma delícia ver as letras sendo desenhadas à flor da emoção... Por essa razão sendo uma postagem que estava "no limbo", é um texto que eu não terminei... mas sei lá... fica aí... Dizem que a letra revela muito sobre como somos, e já que o Cara Comum disse que eu ando mais "exibido" [kkk], lá vai...




Na verdade, o que eu iria dizer ao final, que o incomodo está na sensação desse sentimento tão grande e bonito, que se "desperdiça" a cada dia sem poder ser dado à alguém...

Enfim... That´s all folks!

Inté...

"Quando o amor o chamar
Se guie, embora seus caminhos sejam agrestes e escarpados
E quando ele vos envolver com suas asas
Cedei-lhe, embora a espada oculta na sua plumagem possa feri-vos
E quando ele vos falar
Acreditai nele, embora a sua voz possa despedaçar vossos sonhos
como o vento devasta o jardim
Pois da mesma forma que o amor vos coroa, assim ele vos crucifica
E da mesma forma que contribui para o vosso crescimento
Trabalha para vossa poda
E da mesma forma que alcança vossa altura e acaricia vossos ramos mais tenros que se embalam ao sol
Assim também desce até vossas raízes e a sacode no seu apego à terra
Como feixes de trigo ele vos aperta junto ao seu coração
Ele vos debulha para expor a vossa nudez
Ele vos peneira para libertar-vos das palhas
Ele vos mói até extrema brancura
Ele vos amassa até que vos torneis maleáveis
Então ele vos leva ao fogo sagrado e vos transforma no pão místico do banquete divino
Todas essas coisas o amor operará em vos para que conheçais os segredos de vossos corações
E com esse conhecimento vos convertais no pão místico do banquete divino
Todavia se no vosso temor procurardes somente a paz do amor, o gozo do amor
Então seria melhor para vós que cobrísseis vossa nudez, abandonásseis a ira do amor
Para entrar num mundo sem estações onde rireis, mas não todos os vossos risos
E chorareis, mas não todas as vossas lágrimas
O amor nada dá, se não de si próprio
E nada recebe, se não de si próprio
O amor não possui nem se deixa possuir
Pois o amor basta-se a si mesmo
Quando um de vós ama, que não diga 'Deus está no meu coração'
Mas que diga antes 'Eu estou no coração de Deus'
E não imagineis que possais dirigir o curso do amor pois o amor se vos achar dignos determinará ele próprio vosso curso
O amor não tem outro desejo se não o de atingir a sua plenitude
Se contudo amardes e precisardes ter desejos
Sejam estes os vossos desejos
De vos diluirdes no amor e serdes como um riacho que canta sua melodia para a noite
De conhecerdes a dor de sentir ternura demasiada
De ficardes feridos por vossa própria compreensão do amor
E de sangrardes de boa vontade e com alegria
De acordardes na aurora com o coração alado e agradecerdes por um novo dia de amor
De descansardes ao meio-dia e meditardes sobre o êxtase do amor
De voltardes pra casa à noite com gratidão
E de adormecerdes com uma prece no coração para o bem-amado
E nos lábios uma canção de bem-aventurança" 





14 comentários:

Margot disse...

gostei do manuscrito.. principalmente do final....
Chorar em cima do leite derramado... será tarde. Tomara que não aconteça.

De quem são os versos acima?

Beijos meu moreno lindo... rs

Mabe disse...

Concordo em gênero, número e grau!!!

BRECHÓ DO SUL . PODE SER !!! disse...

OI TUDO BEM !!
OI ADOREI SEU BLOG JÁ ESTOU SEGUINDO PODERIA POR GENTILEZA SEGUIR O MEU TAMBÉM , E CLICAR NO G+ . MEU BLOG É :- http://brechodosul.blogspot.com.br , VAI DAR UMA OLHADINHA SERÁ UM PRAZER EM RECEBER

OBRIGADA AGUARDO SUA GENTILEZA

MARCIA REGINA - DESCULPE-ME A LETRA GRANDE MAS SOU DEFICIENTE ESPECIAL

FOXX disse...

ah... eu tb escrevo a mão...
qualquer dia vou fazer uma postagem assim também
me inspirou.

Lucas disse...

Uia! Que letra bonita! Toda certinha, organizada, comandada pelo coração... Sobre essa "carga de sentimentos", um dia você encontra alguém que a receberá com a maior felicidade do mundo!

Beijos.

Cesinha disse...

Bem lindona a sua letra... denota sensibilidade! A minha letra, por incrível que pareça (kkkkk) é bem maneira também. E com relação a esse sentimento tão lindo que você tem guardado aí... conserve-o, cuide dele como se cuida de uma plantinha. Um dia alguém vai se perder envolto por ele...

Beijos.

Frederico disse...

Muito bonito :)
obs: inveja da sua letra bonita eheheheh

Fred disse...

A caligrafia não engana. Letra de menino criado pela avó e que faz uso de Talquinho Avon... ou seja: um EXCELENTE partido! Hhehehehe! Coisa linda... de forma e conteúdo! Hugzones!

Pedro disse...

Lindo o escrito, linda a letra... adorei.
Coloque mais post's assim - ai que saudades de escrever num papel.
Abração, Latinha e tudo de bom.

Fred disse...

Eu sou bom de dar "pazadas"... tu bem sabes... desenterro cada coisa... hahahaha! Hugzões!

Freddie Butterman disse...

Latiinha!

Nossa, quanta inspiração E QUE LETRA LINDA! HAAHAH E terminar com o texto de Gibran... Covardia, esse poema é um dos mais lindo que já li, acho que o meu preferido! Ótimo gosto!

Abraços!

Fred disse...

Fazer o quê se nem todos conseguem amadurecer como nós, nzé? Nós não envelhecemos simplesmente... nós "engostosamos"... hahahahahahaha! Hugzones!

railer disse...

belo texto e bonita letra.
mas quando vamos saber seu nome, ver uma foto sua?
pra que o mistério? rs

Ro Fers disse...

Que profundo...
Bem bacana, além da letra bonita, afinal grande parte dos homens tem um garrancho...
Abraços!

Postar um comentário