Decifra-me ou te devoro!

"O amor romântico é como um traje, que, como não é eterno, dura tanto quanto dura; e, em breve, sob a veste do ideal que formámos, que se esfacela, surge o corpo real da pessoa humana, em que o vestimos.
O amor romântico, portanto, é um caminho de desilusão.
Só o não é quando a desilução, aceite desde o princípio, decide variar de ideal constantemente,
tever constantemente, nas oficinas da alma, novos trajes, com que constantemente se
renove o aspecto da criatura, por eles vestida."
(FERNANDO PESSOA)

"A liberdade é a possibilidade do isolamento.
Se te é impossível viver só, nasceste escravo."
(FERNANDO PESSOA)

"Eu que não sou nada e que talvez nunca tenha tudo.
Aparte isso, eu tenho em mim todos os sonhos do mundo"
(FERNANDO PESSOA)


"AH, a esta alma que não arde.
Não envolve, porque ama,
A esperança, ainda que vã,
O esquecimento que vive
Entre o orvalho da tarde.
E o orvalho da manhã."
(FERNANDO PESSOA)

;-) Abração!!!

(Inté)

5 comentários:

Oz disse...

Fernando Pessoa... sempre ele!
Muito bem pensado e achado, seu Latinha. Que só enxergue quem se mostrar digno de tal.
Grande abraço, rapaz!

Ricardo disse...

Oi, meu querido!

Acho que não fui devorado!
Beijão!

edu disse...

Mas tu tá assanhado ultimamente, hein?

Einstein Halking disse...

"O que nós vemos das coisas, são as coisas." (Fernando Pessoa)

luma disse...

Sou péssima com códigos! Gosto de tudo claro, mas não tão claro assim! Não decifrei!! :=)))
Voltei!! Beijus

Postar um comentário