A Quitanda!

Imagine-se em uma estrada, a caminho de um ponto que apesar de você não conhecer, você quer muito chegar lá, você não sabe o caminho e está sozinho em seu veículo, já tem um tempo que você não tem mais a certeza de que está no caminho certo... aos poucos as paisagens foram mudando, a estrada ficando estreita... e a certeza de que realmente você gostaria de conhecer aquele ponto já não é mais tão forte.

Há outros lugares a serem vistos... a novas paisagens a serem descobertas... basta você querer! E, eu quero! Por isso, a escolha de voltar e começar um novo caminho, pode parecer meio óbvio - e não dúvido que o seja, mas precisei de um tempo para entender isso, e outras coisas.

Antes tarde do que nunca! ;-)

No mais, tempos de "quitanda", pepinos e abacaxis para descascar nos próximos dias, felizmente, estou só gerenciando a quitanda, a maior parte dos problemas não são meus, contudo, sou eu que vou ter que rebolar para a coisa voltar aos eixos.

Uma viagem rápida ao Planalto Central rendeu bons momentos e muitas risadas, exceto pelo tiozinho roncando no meu ouvido no voo de volta! Pelos prognósticos, mais cedo do que eu imaginava retornarei por aquelas bandas novamente... Quem sabe ainda encontro o "Eduardo e Mônica"...

Essa semana, por conta eu passava por uma sala onde tinha uma televisão ligada e vi a Letícia Sabatela declamando um poema, tá era na novela, mas o poema chamou minha atenção e depois fui atrás para ver melhor... é um poema do Marcos Viana...
Quando o amor o chamar
Se guie
Embora seus caminhos sejam agrestes e escarpados
E quando ele vos envolver com suas asas
Cedei-lhe
Embora a espada oculta na sua plumagem possa feri-vos
E quando ele vos falar
Acreditai nele
Embora a sua voz possa despedaçar vossos sonhos como o vento devasta o jardim
Pois da mesma forma que o amor vos coroa, assim ele vos crucifica
E da mesma forma que contribui para o vosso crescimento
Trabalha para vossa poda
E da mesma forma que alcança vossa altura e
acaricia vossos ramos mais tenros que se embalam ao sol
Assim também desce até vossas raízes e a sacode no seu apego à terra
...
O amor nada dá, se não de si próprio
E nada recebe, se não de si próprio
O amor não possui nem se deixa possuir
Pois o amor basta-se a si mesmo
(POEMA COMPLETO)

Inté...

5 comentários:

FOXX disse...

eu estou na estrada, caminhando, sem esperança de chegar ao lugar q eu qria, mas eu me perdi, e não sei mais voltar, agora eu sentei na margem e estou chorando...

Anônimo disse...

Ela [Letícia]gravou um belo cd de poesias, onde a músisa ao fundo é do músico Marcus Viana que é um achado.

inconstanteblog disse...

Toda estrada tem desvios que levam a caminhos diferentes. Se a estrada inicial leva a um ponto de chegada não mais desejado, ou se pega um desvio (qdo se sabe qual o novo destino) ou se fica nesta ou noutra estrada que ofereca belas paisagens, que permita que vc aproveite o "durante" até saber qual novo caminho você deve seguir.

Xêro! ;)

Fred disse...

VIRGE.... É brabo ser analfabeto digital... se não me explicas eu NUNCANAVIDA ia achar o comentador... E de quitanda... que eu saiba... te interessa são as cenouras e pepinos, né????? Hahahahahahahahahaha!!!!! Bjundas!

Cara Comum disse...

Ow, curto muito seu blog mas nunca sei o que comentar... huahuahua...

Fica ao menos o abraço, tá??

Postar um comentário