"E sem que se perceba, a gente se encontra"

 
Muito louco como a vida anda uma loucura, hoje me dei conta que já era novamente quarta-feira... e que tinha tanto a ser feito ainda... que dureza. Mas resolvi fazer "hora extra" e postar esse post que já estava empoeirando na minha caixa de e-mail... ele foi escrito dia 14 e lá ficou até agora...
E vamos ao post...

Engraçado que essa frase, lida em uma placa, pendurada em uma banca que eu adoro e que vende artigos "poéticos" por assim dizer, está me martelando a cuca desde ontem... Quem já esteve Brasilia, com sorte deve ter ouvido falar da famosa Feira da Torre, uma feira que acontece aos pés da Torre de TV, bem ao centro do Eixo Monumental... de lá se tem uma visão ímpar de Brasilia, podendo se vislumbrar toda a cidade.
 
Nessa feira, é possível encontrar todo tipo de "quinca" e afins... de móveis de madeira a artesanato, roupas, comida, artigos em barro, madeira, metal, couro e por ai vai... e lá tem uma banquinha chamada Tertulia. É por essa banca que começa minha visita toda a vez que tenho a chance de ir à essa feira.
 
E eis que dessa vez eu me deparei com essa "placa":
 
 
 
E desde então, ela vem comigo...
De certa forma, ela resume bem minha última viagem, quando eu disse, sem dizer nada (como disse o Fox) que eu tinha encontrado algumas respostas, talvez não tenha sido as respostas que eu encontrei, mas sim, a mim mesmo. Separados por conta de dúvidas e inseguranças, creio que há tempos não me encontrava...  mas de repente, "sem que eu percebesse" eis que tudo ficou mais claro.
 
Algumas certezas se fortaleceram, algumas tristezas também...  e mesmo que eu não tenha o entedimento do por quê de muitas coisas, uma vez "encontrado" fica o certeza que devemos sempre caminhar a diante.

[Achei que falei, falei e continuei sem dizer nada...]

E já que eu estive na estrada, vale o comentário do Antônio... sobre minha vida lembrar o Richard Gere no Up in the Air, confesso que no dia que vi aquele filme, fui obrigado a me ajeitar na cadeira, tamanho o desconforto em me reconhecer naquele personagem. E o pior que é que eu era/sou igual, eu tinha uma sacola de viagem que tudo se resumia a ela, fosse 1 semana ou 15 dias, minha vida cabia naquela sacola - e eventualmente até alguns presentes.
 
Eu gosto de viajar, pessoas que me são importantes estão fisicamente longe de mim e por isso, na hora do colo ou do "papo brabo", eu sempre acabo recorrendo a eles... também já viajei para dar colo e ombro para quem precisou... viajei também porque era trabalho e era preciso... aprendi a ver a vida dos outros passar. Despedidas, reencontros, despedidas discretas daqueles que chocariam meio mundo se o fizessem às claras...
 
O engraçado é que eu tinha acabado de ver o filme quando li a mensagem dele... fiquei com aquela cara de quem não sabe bem o que dizer... Mas quero crer que terei um fim diferente do charmoso ator, diferentemente dele, quero crer que não estou fugindo. Quando não posso, não viajo... bem verdade que bate uma certa tristeza, mas nada impossível de se conter.
 
E no mais... é voltar ao trabalho e me preparar que logo logo é hora de partir de novo... ;-)

4 comentários:

Edu disse...

Pois é, a gente fica sem entender os detalhes mas te damos a maior força, amiguinho viajado! :-)

Mabe disse...

Pra que entender os detalhes??? Detalhes são feitos para serem admirados Edu!

E assim....o ator é o George Clooney e não o Richard Gere...e olhe que quem está falando é o outro grisalho...kkkkkkkkkkkkkkkk.

Mas, enfim...que bom que está se encontrando...pois indo ao contrário de nossa amiga Magali...nossa vida É um encontro...kkkkkk

Abraços.

Antonio de Castro disse...

era o George Clooney.

e se encontrar... é tudo o que todo mundo quer. até que fica entediante e a gente, por instinto, se perde de novo.

a única certeza é que agora vc tá pronto p se perder e depois se encntrar...

FOXX disse...

avisa ao mabe q eu gosto dos detalhes
hehehe

Postar um comentário