As 7 faces do Dr. Lao

Escrito em 20/SET/2010, publicado sem correções.

Eu particularmente já "paguei" minha boca algumas vezes, mesmo não sendo dado a querer julgar os outros, eu devo confessar que já andei trupicando na lista de coisas que já critiquei ou disse que nunca faria. Nada efetivamente grave, mas ainda me assombro em determinadas situações onde descubro uma nova faceta minha.

Houve coisas que mesmo não gostando, eu repeti outras vezes, também houve outras que o "juízo" me impediu de repetir novamente, seja por pudor ou por entender que os benefícios foram muito aquém dos custos. Mas no fim, lá estamos nós de novo, infelizmente em muitos desses momentos os sonhos e a visão romântica sobre determinados assuntos são relegados a um segundo plano e prevalece o senso comum... enfim, "era o que tinha para hoje".

E assim, o gesto de fraqueza para alguns ou de falta de fé para outros, pode ser classificado como uma experiência, mais uma. Mas, apesar de toda a simplificação dos sentimentos e pragmatismo, ainda é duro olhar nos olhos vazios do outro e encarar a si próprio, junto ao reflexo desnudo dos nossos sonhos... ou seja, no final, tudo volta à nós.

Nessas horas, além de algumas dúvidas e incertezas, fica a certeza que são muitas as faces que podemos apresentar...

E a vida segue...

Tempos estranhos eu diria... andei me decepcionando com algumas pessoas próximas e até então queridas, impressionante como desperdiçamos votos de confiança com quem não merece, ou então, como lutamos contra os fatos e evidências que apontam ao verdadeiro caráter das pessoas.

Mas faz parte, o que não nos mata nos fortalece... e como eu li uma vez, o que doí mais em uma calúnia é o fato de que toda calúnia guarda em si um fundo de verdade. Nesse caso, nem foi a "calunia" nem a verdade que me aborreceram, foi talvez o fogo amigo em si.... baixei a guarda!

O mais triste é que eu sou um péssimo mentiroso e por mais que me esforce não dá para disfarçar o desconforto de reencontrar a pessoa e não poder chutar a cara da referida com os dois pés sem cair no chão.

E por falar em reencontros...

Impressionante como algumas pessoas são "práticas"... poucos caracteres em um SMS e voilá! Começa tudo de novo...

E a semana segue...


"Eu antes tinha querido ser os outros para conhecer o que não era eu.
Entendi então que eu já tinha sido os outros e isso era fácil.
Minha experiência maior seria ser o outro dos outros:
e o outro dos outros era eu". (CLARICE LISPECTOR)


Inté

5 comentários:

FOXX disse...

sério, fui eu? ou esse post é totalmente enigmático?

Edu disse...

sério, fui eu? [2] se não fui, vai dando um jeito de postar todo santo dia E de aparecer em casa. Como vc escreve gostoso... Como vc é gostoso!!

Antonio de Castro disse...

sério, fui eu? [3]

fiquei confuso se tá sendo bom ou ruim
d verdade.

M. disse...

Nossa... entendi cada palavra que tu escreveu. Me pareceu um baita deja vu!

Depois quero falar melhor disso contigo rsrs

Bjão!

Luma Rosa disse...

Latinha, o grau de mágoa que carregamos quando alguém é injusto com nós é proporcional à estima que temos por aquela pessoa. Quanto maior a estima, maior a mágoa, a decepção... tudo, né? Não se espera certos atos de pessoas que confiamos. A vida segue e existem pessoas e pesssoas, ainda bem!! Beijus na alma!!

Postar um comentário