Bananas Carameladas

Escrito dia 03/10, publicado dia 07/10/2010 - 23h42

É bem verdade que meu bloguinho anda meio ácido nas últimas postagens, mas não é proposital, e nem eu ando de mal do mundo, na verdade isso é até meio paradoxal, porque no geral as coisas tem andado até que calmas na minha vida. Mas sempre há aquele "mas"... talvez isso é que esteja fazendo toda a diferença, ou então, tenho dado mais importância do que as coisas merecem

E hoje eu tive uma prova de como é dificil exercer o tal do perdão...ainda por conta das decepções da postagem "esquisita", eu confesso que andei me afastando de algumas pessoas, não porque eu quis, ou melhor foi porque eu quis, mas a coisa meio que funciona de modo instintivo, eu não consigo fingir que nada aconteceu. Não vou tomar satisfações, nem vou virar a cara, nem quero revanche, nada disso... simplesmente se faz uma parede de vidro entre as pessoas. Os assuntos antes abundantes e fartos, agora minguam entre o papo de elevador e as amenidades gerais, Tenho medo desse meu dark side...

Enquanto isso, na sala de justiça, um amigo chora as pitangas comigo...

A namorada ruminante, está fazendo do cara gato e sapato... judiando mesmo. E ele, que poderia ter a menina que quisesse está lá, pequeno, fraco, acuado... pior que não há nada fazer, na briga entre razão e coração, é igual aos filmes do Rocky Balboa, a razão até ganha, mas depois de ter apanhado mais do que não sei o que.

Pior que conversando com ele, tentando mostrá-lo "a luz"!!! Me dei conta de que também estive na mesma situação a um tempo atrás...apesar de algumas diferenças e se não fosse o pudor que me impediu de desmorronar, poderiamos sentar os dois e chorar muitas pitangas juntos. Mas, foi então que surgiu uma questão... As escolhas!!!

A plantação é opcional, mas a colheira é obrigatória... fiquei pensando na minha colheita, na colheita dele... será um dia iremos acordar e nos dar conta que estivemos anos a fio presos a um fiapo de relacionamento que se não fosse nossa teimosia, ou perserverança para ficar mais bonito, nunca teria existido?! Será mesmo que no final tudo dá certo?!

Será que se eu, me achando sabedor do destino que julgo me aguardar, abandonasse hoje a batalha e fosse procurar novos caminhos não seria considerado um fraco? Aquele que desiste facilmente do que quer? Será que tudo vale a pena se a alma não é pequena?!

Isso ficou martelando em minha cabeça... e ainda martela... e talvez seja isso que me impeça de responder ao singelo email, carregado de boas intenções que sorrateiramente aparece em minha caixa de entrada de tempos em tempos...

Mas uma coisa é certa.... no fim, só restam as bananas carameladas... ;-)

Um encontro no saguão de desembarque de um aeroporto e a frase acima, proferida sabiamente por um amigo, seria a frase que resumia bem o espírito do dia... uma hora conto melhor a história...


"Despedir-se de um amor, é despedir-se de si mesmo.
É o arremate de uma história que terminou, externamente,
sem nossa concordância,
mas que precisa também sair de dentro da gente."
(MARTHA MEDEIROS)


Inté

2 comentários:

Edu disse...

Bananas carameladas? hmmmm!!!!!!

Antonio de Castro disse...

minha vida anda tão parada e estranha q não consigo falar sobre esquecer amores.

sei falar sobre o passado, pode?

Postar um comentário