Conta comigo!

Nas últimas semanas tenho me debatido com uma situação bastante nova (não no sentido bom) e angustiante para mim, um amigo está em um momento bastante delicado da sua vida, e no meio de tudo o que está acontecendo eu tenho me sinto “meio” perdido, sem saber ao certo o que fazer ou mesmo como ajudar... Assim, angustiado, inquieto, irrequieto, fico a espera de alguma notícia que pode, ou não, chegar a qualquer momento.

Nossa amizade começou como muitas amizades começam, de uma maneira despretensiosa e sem maiores expectativas, de fato, no início eu não acreditava que seriamos amigos, afinal parecíamos partilhar tão poucas coisas em comum. Se “Ele”, era o cara malhado (facilmente lido como “bonito” pelos padrões de beleza que a sociedade adora cultuar) e  tinha um jeito meio marrento e seco, muitas vezes até áspero, por minha vez, “Eu” era o “gordito” com cara de menino criado pela avó! :)

Enfim, certa vez o ouvi comentar sobre uma situação que era muito parecida com a que eu também passava naquele momento, tomei coragem e chamei-lhe para uma conversa. Isso fez com que a barreira do pré-julgamento que eu havia imposto fosse quebrada, e assim descobrimos partilhar não só aquela situação, mas como várias dúvidas e questionamentos, da mesma forma que inseguranças, medos e sonhos. Daquele dia em diante longas conversas foram se desenrolando e no fim, pude perceber que o cara bem “apessoado”, tinha muito mais em comum com o garoto gordinho com cara de menino criado pela avó do que talvez eu e ele pudéssemos imaginar.

Da mesma forma, alguma coisa me fez ver que o jeito marrento escondia na verdade um garoto “agridoce”, muitas vezes frágil e com uma autoestima bastante ferida pela caminhada que fizera até então. Foi assim que nasceu uma amizade sincera entre nós... apesar de termos poucos anos de diferença, eu acabei sendo uma espécie de “irmão mais velho”, que ouvia as histórias, muitas vezes puxava as orelhas e tantas outras ajudava a colar os cacos que sobravam de histórias e das porradas da vida.

Não há nada de “científico” no que eu vou falar, mas a impressão que eu tenho é que existem pessoas que levam mais porradas da vida do que outras, até poderia recorrer a algumas teorias para explicar isso, mas deixemos apenas como uma percepção. Ele era uma dessas, reconheço que muitas vezes os tombos foram maiores por insistência do próprio ou por decisões equivocadas que ele tomou, mesmo sob meu protesto ou alerta, mas é verdade também que antes disso ele também já tinha sido muito machucado por aqueles deveriam amá-lo e protegê-lo.

Se a semeadura é opcional a colheita é sempre obrigatória, diz uma “lei” no Espiritismo, e recentemente algumas coisas começaram a não resultar bem para ele... talvez, o correto seja afirmar que muitas coisas começaram a não dar mais certo, ruindo o mundo que ele acreditava ter construído como refúgio! O duro é que muitas dessas coisas o atingiram em pontos realmente sensíveis para ele e apesar de ter certeza que ele teria plenas condições de superar tudo o que estava acontecendo, tais eventos chegando em cadeia acabaram por provocar grandes reverberações, praticamente um tsunami na vida dele.

Isso talvez tenha sido demais para ele...

Neste momento, já faz mais de um mês que não tenho notícias dele, por meio de um parente fiquei sabendo que ele se encontrava hospitalizado e que os pais estavam com ele... depois disso apenas o silêncio mais barulhento e inquietante que eu já senti/ouvi na vida...

Eu não culpo os culpo por não me darem maiores detalhes, eu sou aquele ilustre melhor amigo desconhecido, eu os conheço, mas eles não me conhecem... Admito que eu sei como contata-los novamente, mas diante a gravidade dos fatos, não sei se isso é o mais correto a fazer, mas confesso que isso tem me deixado muito mal. O celular dele está desligado, sem e-mail, se possibilidade de contato fico à espreita de alguma notícia ou algo que possa me dar uma pista dele.

Li e reli diversas vezes nossas conversas vendo se havia alguma indicação, se havia deixado passar algo, rezei, pedi, fui à missa, ao centro espírita, pedi para todas as pessoas que de alguma forma eu sabia que pudessem ajudar... Escrevi várias mensagens para ele, tentando de alguma forma dar força, tentando mostrar que ele não está sozinho nessa e pedindo que não deixe de entrar em contato!

Mas ao mesmo tempo me assusta não saber ao certo o que poderia fazer para ajuda-lo, caso ele entre em contato... :(

Eu sempre fui aquele cara otimista, às vezes acho que até meio bobo ou “Alice”, que acredita que no final tudo vai dar certo, que o bem vence o mal e que apesar do “felizes para sempre” não existir, pelo menos existe o “felizes enquanto quiserem” é possível... Sempre procurei mostrar para ele que a mudança estava a um segundo na frente dele, que era possível e que ele podia e tinha todas as condições de vencer qualquer que fosse a dificuldade. De forma alguma, nunca quis ignorar ou relativizar a história de vida complicada que ele tem e tudo que eu disse sempre foi de coração e por acreditar que ele tinha um grande potencial...

Mas de repente me sinto uma fraude, me sinto como um charlatão que tenta vender um pedacinho do céu para alguém... e ele confia em mim, certa vez, cerca de um mês atrás, em uma conversa ele me mandou um “obrigado” e partilhou esse texto:



Eu não sei o que fazer, a vida começa a me chamar às minhas responsabilidades e tal qual em uma prova prática eu acho que estou me atrapalhando todo... O ano já começou, tenho minha vida para tocar, mas não queria “deixá-lo” assim... sem ter maiores notícias, não queria que ele pensasse que assim como tantas outras pessoas, que ele foi abandonado...

No fim, relendo algumas mensagens que trocamos e revisitando algumas de suas angústias, hoje consigo entender o que havia de diferença entre o "cara malhado e marrento" e o "gordinho com cara de menino criado pela avô". Se por um lado fico grato por todo o carinho e amor que recebi ao longo dos anos de pessoas que são importantes para mim, fico muito triste que ele talvez nunca venha a saber o que é se sentir amado e acolhido... isso tem sido uma lição muito dura para mim.


Tenho me sentido tão pequeno e perdido...

Eu apenas quero que ele fique bem!!!

9 comentários:

Dominus disse...

Posso imaginar o que você esteja sentindo com essa situação, já estive duas vezes em situações que se assemelham em alguns pontos com a sua. Não interprete isso como um conselho; se única forma de obter notícias de seu amigo, sentir-se bem e ter a certeza que ele não se sentirá abandonado é perguntar outra vez a esse sua fonte de informação ou mesmo os pais dele, faça isso. Eu sei que essas coisas não são fáceis de fazer. Quanto a sua amizade, você parece já ter provado a ele o quão bom amigo é.
Fique bem :)

Três Egos disse...

Tenha certeza de quê ele sabe o quanto você valoriza a amizade entre vocês, você e um grande amigo, não tenho dúvida. Talvez, realmente, ele esteja passando por momentos muito difíceis, mas acredito que irá ficar contente em saber que há um amigo que se preocupa tanto com ele.

Grande abraço!

Te marquei em um desafio:
http://tresegos.blogspot.com.br/2016/01/desafio-frase.html#comment-form

o Humberto disse...

Ai, meu amigo Leo... Dá cá um abraço. ___ O ___
Força, meu fio.

Mark disse...

Eu tenho quase a certeza de que algumas pessoas levam mais tombos na vida do que outras. Direi mais: às vezes procuramos seguir em frente e parece que há quem esteja presente apenas para nos atirar pedras no caminho, fazendo-nos cair.

Não sabia que você é espírita, amigo. Eu, curiosamente, conheço a doutrina. Já li os cinco pilares da doutrina espírita de Kardec, impulsionado pelo meu pai.

Você já deu provas do seu interesse em ajudá-lo, e decerto ele saberá isso. Logo, logo ele entra em contacto.

um grande abraço, amigo.

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Força aí meu caro. A vida por vezes parece nos pregar uma peça, mas ele mesmo se encarregará de por tudo no lugar. Ele há de ficar bem e vc o reencontrará para q possam por os pingos no i[s].

Eduardo de Souza Caxa disse...

Também sei como é ruim ficarmos sem notícias de quem gostamos - ainda mais sabendo que estão com problemas. Torcendo por ele e por você.

Marcos Campos disse...

Putz Lata ! Situação complicada ! Mas as vezes a gente não pode tudo ... não o abandone e faça o que for possível ! Desejo sorte à vcs dois !
Um amigo assim é ouro ! Abração !

João disse...

Ah, as amizades. Nunca soube como fazer para sustentar uma, sempre achei que elas deveriam surgir do nada, mas que da mesma forma elas partiriam. Tenho poucos, na verdade só um que posso realmente chamar de amigo e que sei que com ele posso contar.

Amizade é uma relação, quase um casamento sem alianças (opa). Na verdade eu nunca soube como iniciar uma amizade, visto que sempre tive dificuldades em iniciar um papo qualquer. Mas acredito que você, é feliz com os que tem (até mesmo os imaginários, pois eu sou feliz com os meus também).

Rapaz, só não tente segurar o mundo com as mão. Uma coisa que eu aprendi é que a força de uma vibração pode transformar vidas. Então vibre positivamente e não sofra.

Abraço ;)

Vida de Homo

O Anfitrião de Lisboa disse...

Xiii...não sai de perto dele. Ele assim gostaria.

Postar um comentário