One Day


Férias é época de colocar a leitura em dia e, dentre os livros selecionados para este ano, teve um que foi uma espécie de blind date. Eu estava em um aeroporto, prestes a embarcar e lá estava ele, flertando comigo a partir de uma prateleira, One Day de David Nicholls – clichê, eu sei, mas fazer o que... eu havia lido algumas criticas e confesso que  estava intrigado pelo “tema”.

E, assim, fui lendo o livro que está longe de ser meu livro favorito, mas confesso que ao final estava mexido. Há sempre aquele tipo de filme ou livro, que me faz remexer na cadeira quando termina e, foi assim que me vi encurralado por ele.

Um dia...

Tive medo de ser aquela pessoa que durante toda a sua existência está fadado a ter apenas “um dia” para se aquecer nos dias frios... É complicado quando a gente tenta achar diferenças entre a sua história e a que está lendo – afinal, é ficção, mas no final, você percebe que o caminho percorrido não é importante e sim o ponto de chegada, e neste caso o seu e o do personagem do livro poderia ser exatamente o mesmo.

Na volta para casa, me apressei em ver o filme, quem sabe, com um pouco de sorte eu havia entendido errado alguma passagem e, por mais eu critique o filme por não faz justiça à riqueza do livro, para minha angústia a constatação foi a mesma. Um dia!

Não sei se o que me assusta é ser confrontado por uma situação, que uma vez exposta parece tomar forma e tornar-se real, um sonho premonitório?! Rota de colisão com o futuro? Ah, a vida e seus mistérios...  

Não sei, foi impossível não me lembrar das brincadeiras dos meus amigos, dizendo que eu, e a minha Emma, seriamos como aqueles casais de idosos, que se conhecem na adolescência, passam a vida inteira separados e apenas na terceira idade é que vão viver aquele amor... A verdade é que eu tenho minha Emma, nos conhecemos ainda na escola e desde então "estamos juntos"... Mesmo que cada um tenha seguido seu caminho, superamos os desencontros da vida e nos encarregamos de fazer com que nossos caminhos se cruzassem ao longo desses anos... 

Minha família a adora, as sobrinhas dela me chama de tio e não tenho dúvidas que ela poderia ter sido a mãe dos filhos que eu pensei um dia ter... Mas ainda hoje, no final das festas, em que sempre vamos juntos, somos Eu e Ela... e tudo ainda se parece como era nos tempos de escola...


--- x ---


Eu tinha ensaiado fazer a estreia de 2012 com algum post legal, animado, cheio de novidades, mas sabe como é... No final, entre uma ideia e outra quem ganhou foi um pensamento solto de uma quarta-feira chuvosa.


E 2012 chegou bem, estou feliz... estou aprendendo algumas coisas e tenho umas perspectivas interessantes para esses meses iniciais, dentre elas, uma viagem nos próximos dias para não perder o costume...


No mais... que venha o Ano Novo, com vida nova...  ;-)



"Há um véu de silêncio entre nós. 
Coisas não ditas que se pressentem. 
Não é um silêncio magoado ou ferido. 
Apenas um receio de cruzar linhas por onde já fizemos equilibrismo. 
Ambos sabemos que não vamos atravessá-las. 
Mas os dois acarinhamos esse futuro que não tivemos, 
como memória intocável e pura".

10 comentários:

Cara Comum disse...

Resguardadas as devidas proporções e entrando no reino do "e se...", eu poderia ter escrito esse post.

Abraços!!

My Boo Side disse...

2012 chegou bem!! Que termine melhor ainda, não?!

FOXX disse...

nossa, isso foi um tapa na minha cara... estou pensando aqui... e se eu tb só tiver um dia?

Ro Fers disse...

Férias é uma delicia....
Ixe, ando tão por fora de livros, uma preguiça do kct, acho que não tenho mais esse dom, nem na facu eu lia, so pegava resumos e fazia as provas...

Viajar... viajar... Não tem nada melhor...
Forte abraço!

Luma Rosa disse...

Não enfrentando certas situações, é o próprio medo de viver e isso acaba por não nos deixar viver.

Os românticos não caem em si, que o amor até pode ser eterno, mas as pessoas morrem. Esperar uma vida toda para viver o fim? Sei lá, as pessoas se tornam solitárias com o passar dos anos, mesmo estando acompanhadas. Elas se perdem em pensamentos e os mais velhos, até chegam a falar sozinhos (rs*)

Aproveite a vida!!
Beijus,

Fred disse...

Tu tá sempre viajando, NZÉ????? Hahahahaha!!!
E comi a Lula, sim! Sabe como é... ela olhou pra mim, eu olhei pra ela... rolou o momento e PIMPA! Hahahaha! Bjzzzzzzz!

F disse...

Que saudades de te ler!! Eu to louco pra ler esse livro, eu vi o trailler apenas e gostei bastante da história.

:)

Fred disse...

E lá eu - por um segundo que seja - deixo de lembrar que o Teló é da tua terrinha?????? Gentinha! Hahahahahahahahahahaha! Será que tu dava pra sertanejo, TinMan???? Hehehehe! Hugzão!

Kim III disse...

Há muito tempo que não leio um livro que não seja por obrigação, quem me dera poder mas nem tenho tempo!

Quanto à tua "Emma", secalhar tens mesmo que esperar pela terceira idade para perceber alguma coisa, se bem que não me parece muito...

Beijinhos *

Fred disse...

Ihhhhhhhhh... gostas duma pegada rústica, néahhhhh???? Hahahaha! E eu não como mortadela - tu BEM sabes... hahahahaha! Hugzão!

Postar um comentário