O Ratinho de Lata

Na psicologia, há o chamado reforço intermitente, que é um termo usado para descrever uma situação em que o reforçador segue a resposta de maneira ocasional, ou seja, podemos treinar determinado comportamento fornecendo um "prêmio", de maneira ocasional, toda vez em que determinada situação se apresenta.


Em português?! Eu explico...


Encante-se por alguém a ponto de acreditar que ele realmente representa uma parcela importante da sua vida ou até o momento em que todas aquelas frases que costumamos chamar de clichê, ou bregas, pareçam fazer todo o sentido. Esse é o meio ideal para que o chamado reforço intermitente aconteça.


O que acontece quando fazemos algo que nos trás uma sensação muito boa?! Temos a tendência, ou mesmo a necessidade, de querer repetir e repetir... Então, ao conhecermos alguém, ao nos encantarmos por alguém, temos essa mesma necessidade, contudo, as pessoas guardam em si um universo, quase indecifrável a olhos nús. Nesse espaço, a vaidade e o orgulho funcionam como buracos negros, sugando tudo o que passe ao seu redor, são dois venenos disfarçados em frascos de perfume.


Até hoje, vi poucas pessoas não sucumbirem a tentação de manter o outro ali, por perto, mesmo que não há a intenção do estabelecimento de algum tipo de relação. E assim, entre os famosos, sou enrolado, não posso, ou algum outro pretenso sinal de fragilidade que fará com que o outro fique condoído... estabelece-se uma estranha ligação. Haverá momentos em que será possível atender a ligação do outro e até mesmo quem sabe um encontro furtivo após um almoço de olhares e meia palavras. Haverá momentos de silêncio, de afastamento e geralmente de dor para o outro que sente-se jogado a própria sorte. Até que como por milagre, um sinal apareça por trás dos montes... sinalizando um nova migalha ou quem sabe um recomeço de verdade.


O reforço intermitente foram as migalhas que o Outro fora colecionando ao longo do tempo, sempre na esperança se suas tentativas rendessem bem mais do que uma migalha. 


E foi assim, em uma segunda-feira de lucidez, que entre os espécimes do laboratório percebeu-se que havia um diferente e foi possível concluir que não só os ratinhos de carne e ossos flexíveis eram suscetíveis ao reforço intermitente, mas que os ratinhos de lata também o eram!


----


Ah! As segundas-feiras!!! Semana começa literalmente de pneu murcho... o implica naquele momento matutino "I´m too sexy for my love, too sexy for love", mas tudo bem... pior será ao longo da semana enfrentar a maratona nas lojas para comprar chocolate para o povo do firma! 


"E já que é época de ressurreição, estou na esperança de começar de novo!!! 

"Gostar de alguém é função do coração, mas esquecer, não.
É tarefa da nossa cabecinha, que aliás é nossa em termos:
tem alguma coisa lá dentro que age por conta própria,
sem dar satisfação. 
Quem dera um esforço de conscientização resolvesse o assunto..."
(MARTHA MEDEIROS)




Esse mundo anda tão estranho que nem uma lobotomia eu posso pedir mais, descobri recentemente que o termo correto é leucotomia!!! Latinha também é ciência! 8-P


Abração e que venha o Coelho da Páscoa! 

6 comentários:

Edu disse...

Faz o ratinho morder a bunda de quem seja!

Elaine disse...

Eita que eu ando numa relaçãozinha assim... Às vezes eu recebo as migalhas(confesso), às vezes sou eu quem joga... vida estranha!
Abraço.

M. disse...

Não sei se dá pra fazer um paralelo com isso mas depois de um tempo eu fui aprendendo a não simplesmente descartar alguem da minha vida só porque um relação amorosa não deu certo, mas não sei se isso aconteceu porque eu esperava que algo mudasse um dia. Acho não, que nem sempre é assim. As vezes o que não deu certo de um jeito pode dar muito certo de outro. Mas veja bem, "as vezes".

Bjo!

Carlos Roberto disse...

Meu querido Latinha, seu texto caiu-me como uma luva. Só assim para descrever a sensação que estou após um dia chato, com alguns trabalhos chatos e uma noite entediante no qual só uma boa leitura salva.

Concordo plenamente com tudo que você disse. Acho que as pessoas procuram muito ao invés de relaxarem. Acredito que forçar algo é insistir no erro, ou melhor, encontrá-lo a preço de ilusão. Hoje em dia há mais necessidade de se apoiar em alguém do que conviver consigo mesmo... É estranho, me parece que as pessoas tem medo de si próprias e procura alguém para domá-las... Um dia eu descubro, ou não... Nem sei se quero descobrir...

Um beijo e boa páscoa!

eutuelesnaescritadoeu disse...

Latinha

Seu blog sempre surpreende

Estou de blog novo!

Aparece lá!

Forte abraço
E que venha o Coelho da Pascoa!

Tiago Conselheiro
(embuscadeumconselho.blogspot.com)

FOXX disse...

gente do céu
que texto foda!
tow boquiaberto!

Postar um comentário