Lições de um Coelho

Eu ainda era um garoto cabeludinho naquela época, daqueles que usavam camiseta, short e bota ortopédica com aquela famosa meia vermelha com uns detalhes brancos que eu nunca entendi porque as mães compravam! Acho que tinha menos de 5 anos, já que ainda não ia na escola, conta minha mãe que era época de Páscoa, com lojas e supermercados abarrotados de chocolates e ovos de páscoa! 

Meus pais provavelmente estavam no antigo Sé Supermercado, da Praça Panamericana em São Paulo... eram uma época meio complicada em casa e as vacas andavam meio anoréxicas, conta minha mãe que eu me encantei por um coelhinho de chocolate, segundo ela, meus olhos brilhavam vendo o danado do coelho. Mas, comprar o coelhinho implicava em gastar o dinheiro que estava previsto para outras coisas... então ela se virou e apenas me disse que naquele dia não podia levar o coelhinho. Eu era um bom garoto naqueles tempos [hehehe], ela conta que eu apenas falei um "Tá bom, Mamy!" e, continuei faceiro pelo supermercado. Meu pai ficou extremamente chateado aquele dia, sentia-se mal por não poder comprar um simples coelho para mim... 

No sábado seguinte ao final de semana da Páscoa, meus pais foram visitar um casal de amigos, engraçado que posso me lembrar do barulho daquele elevador que para mim era antigo, e do piso com umas lajotinhas brancas e pretas daquele prédio no centro de São Paulo. Chegando lá, entre cumprimentos e abraços, eles me disseram que o Coelho da Páscoa havia deixado uma lembrança para mim... embrulho desfeito, era um Coelho de Chocolate, maciço, moldado em quinhentos gramas de chocolate... Devo ter comido chocolate por um bom tempo! ;-)

Apesar de não me lembrar de nada, eu guardo esse episódio como uma valiosa lição de que as vezes tudo o que precisamos ter é um pouco de paciência... e acreditar! ;-)

Vale ressaltar que:

  • Eu não fiquei traumatizado com coelhos, nem com a Páscoa ou Chocolate!
  • O Supermercado Sé virou estrelinha a muitos anos, hoje ainda há um supermercado na Praça Panamericana, não sei dizer se é no mesmo lugar, mas sempre que passo por ali fico com um sorriso de saudade no rosto.
  • Nunca pude esquecer como era complicado desfazer aquela costura branca que vinha no pacote de açucar União, e
  • Até hoje, sempre que entro em um supermercado, eu me lembro "que no passado" ao invés de sacolinhas usávamos sacos de papel pardo... o do sé tinha uma logo vermelha bem no meio!

Essa semana era suposto eu ganhar um "coelho de chocolate", mas a vida me falou que não ainda não era a hora... ainda que o garotinho cabeludo me diga que vai ficar tudo bem,  e eu acredite no "Coelhão" no final do túnel, aquele garotinho se esqueceu de me contar como a gente faz para não ficar um tiquinho chateado até lá...

"...Recria tua vida,
sempre, sempre.
Remove pedras e 
planta roseiras e
faz doces.

Recomeça

Faz de tua
vida mesquinha
um poema..."
(CORA CORALINA)

14 comentários:

Três Egos disse...

Tenho uma história bem parecida, foi com um super Nintendo de Natal. Obviamente, meus pais não tinham condições também e compraram um mega estacionamento de vários andares para eu brincar com meu carrinhos. Eu lembro até da carta do Papai Noel dizendo que quando ele foi pegar o presente, tinha acabado! Mas depois de alguns meses eu ganhei o super Nintendo. Rs

Beijo"

Eduardo de Souza Caxa ש disse...

Como a gente faz? A gente beija na boca, ué! :-)

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Como a gente faz? A gente beija na boca, ué! :-) [2] Edu ardo sempre oportuno ... Ficar chateado é inerente ao SER adulto ... mas fazer o que né? Paciência e esperar ... mas o Coelho, o Coelhinho ou o Coelhão aparecem ...

Beijão

Marcos Campos disse...

Coelho é assim mesmo, bicho arisco ! Mas calma lá que um dia ele se deixa levar ... rs !
Abraço !!

Luiz Carlos Lucas disse...

Essas memórias... o quanto ajudam, o quando atrapalham?! Enfim, supondo que esse coelho não foi perdido, mas sim adiado (como lá na sua infância), vai preparando o resto da mesa de páscoa, né! Não dizem que pensar é meio caminho do ter?

Abração

Fred disse...

A minha vida mesquinha dá mesmo um poemão.... #corarules!!! Mas caRRRma... teu coelho tá guardado e - como convém - vira de cenoura(ão) em punho... hahahaha!
Sim, a costura do saco de açúcar era al-go!!! Hahahaha! Hugzones, little bunny!!!

Namorado P.S. disse...

Gostei da "lição de vida" e por vezes temos que nos lembrar disso, porque somos muito esquecidos. A verdade é que tudo tem um tempo para aparecer e desaparecer, e não podemos deixar que a impaciência nos leve para a angustia e o desespero. Gostei da partilha desta história :)

Margot disse...

Então.... a pascoa ainda não chegou.... "espere e confie". Quando subir no elevador (quem sabe dessa vez mais moderno.. rs), e entrar seja onde for, o seu "coelho" não esteja embrulhado e pronto para voce "descascar"..!!?? e com meio quilo de cenoura, ops, chocolate, pronto para ser comido!!! Rsrrsr

Beijos querido

Três Egos disse...

Bom saber que mora na fronteira com o Paraguai... Rsrsrs

Adriano Só disse...

“Coelhinho da páscoa, que trazes pra mim?...” É isso? (rsrsrs) Falando sério: acho que paciência é um dom que você tem de sobra! Então, como “alguém” vive dizendo... “vambora, tudo com tempo tem tempo”... bom conselho, não acha?

Abração

Peter disse...

"Paciência é uma virtude", não é o que dizem? Então! Logo, logo, dá tudo certo!

Abraços!

railer disse...

"as vezes tudo o que precisamos ter é um pouco de paciência... e acreditar!" muito boa sua reflexão.

AdultoEmergente disse...

Que lembrança bonita, uma criança esperta sem duvida e uma lição pra vida mesmo: paciência. Pode ser só uma questão de tempo ou não era pra ser, ou não sei :)

Fred disse...

Nuossaaaaaaaaaaaa... layout e avatar novo?!? Gostchei! Hehehehe! Hugzões!

Postar um comentário