Pensamentos soltos

Desejo. "... tensão em direção a um fim pela pessoa que almeja como uma fonte de satisfação... tradicionalmente pressupõe carência...".

Geralmente nessa época eu começo com meus planos de dominação mundial e que de certa maneira vão guiar o restante do ano, consequentemente, é tempo de desejar... a priori, bastaria revisitar velhas anotações e ver o que ficou ainda pendente. Acho que durante muitos anos eu fiz isso meio que de forma automática, era só pegar o checklist, marcar o que foi feito e reordenar as prioridades.

Mas a carência até então era por coisas dentro do possível, não que fossem coisas fáceis de serem alcançadas, ou realizadas, mas todas pertenciam a coisas que seguiam um "encadeamento lógico". Entretanto, isso tudo foi antes que a estrada de tijolos amarelos me levasse a todo um novo mundo, até então desconhecido e inexplorado e onde me sinto um daqueles greyhounds correndo atrás de um coelho que nunca irão alcançar - vale dizer que no meu caso, eu estou correndo mais não sei ao certo se vi realmente um coelho.

Fato é, que novas variáveis foram inseridas e os sistemas se tornaram instáveis, acho que foi nesse momento que o jogo realmente começou para mim... crenças e certezas vieram por terra, novas facetas até então inativas foram descobertas. Se em um primeiro momento tudo era rápido e urgente, o tempo tem me mostrado sua importância e apesar da carência ainda continuar presente, aos poucos ela parece ser domada, apesar de se tornar mais forte e consciente. E foi assim que hoje me dei conta que apesar do desejo ainda estar lá, ele ficou diferente e não o reconheço apenas em um rosto... novas formas e nuances de repente vão se apresentando.

A tensão existe, mas a direção ainda é imprecisa... isso ainda me confunde e talvez por isso a sensação de que há algo fantando seja tão presente em alguns dias, mesmo que a principio todos os planos tenham sido traçados, ...

definitivamente... é um novo tempo!

"e então aconteceu: do fundo de meu coração, eu queria aquela rosa pra mim.
Eu queria, ah como eu queria. E não havia jeito de obtê-la.[...]
no meio do meu silêncio e do silêncio da rosa,
havia o meu desejo de possuí-la como coisa só minha.
Eu queria poder pegar nela.
Queria cheirá-la até sentir a vista escura de tanto perfume..."
(CLARICE LISPECTOR)

4 comentários:

FOXX disse...

cérebro, o que faremos hoje a noite?

Serginho Tavares disse...

MEDO do que você fará com o mundo
rs

M. disse...

Latinha,
Eu queria dominar o mundo, mas descobri que não consigo dominar nem á mim mesmo, o tempo todo.

Beijo grande.

Paulo disse...

Hahaha... impossível não pensar no Cérebro ao ler o primeiro parágrafo, hehe!!

Postar um comentário